300 dias de Reboot

300diasOlá caros amigos. Estipulei fazer meu relato aos 365 dias de Reboot, mas por motivo de está devendo esse Feedback ao Fórum e pelo fato de que de hoje aos 365 dias não deve mudar muita coisa resolvi antecipar.

Cronologia do Vício.

Irei subdividir a história do meu vício em dois períodos, o primeiro relaciona os primeiros contatos com os materiais pornográficos e a prática da PMO, o segundo está relacionado à descoberta dos fetiches.

(1992 – 1997)

Foi durante o ano de 1992 que tive os primeiros contatos com masturbação e revistas pornográficas, era tudo novo, mas despertou os princípios de fantasias e provavelmente deu-se o início da formação das redes neurais de um vício que iria ficar monstruoso com o desenvolver das práticas e do tempo. A partir dos primeiros contatos, fui intensificando as fantasias com as garotas da escola, criava verdadeiros cenários fictícios na mente para praticar M. Foi durante esse período que também intensifiquei o uso da pornografia permitida, através da audiência dos programas televisivos recheados de cenas eróticas, lembro de alguns como: Banheira do Gugu, Caldeirão do Huck, Programa H, Cine Band Privê etc, esses programas na TV aberta foram verdadeiras fontes de gatilhos que davam o arranque para sessões de PMO, recheadas de fantasias. Foi durante esse período que tive o primeiro contato com um filme pornográfico em VHS e foi um bum para entrar de vez dentro do poço da PMO.

(1997 – 2015)

Foi no ano de 1997 que tive acesso pela TV aberta em um programa onde mostrava uma prática estranha e bizarra fetichista relacionada ao sexo. Era um desses programas que tenta mostra curiosidades dos habitantes da vida de uma cidade grande, essa curiosidade era sobre um casal que praticava fetiches, até aquele momento (com 17 anos de idade) não havia ouvido falar ainda sobre isso, apesar de já está mergulhado em PMO. Fiquei babando com aquilo, foi logo após esse programa televisivo que despertou o interesse pelos fetiches. Ainda não havia tido uma relação sexual real, só tive essa relação real aos 18 anos, até aí tudo bem foi normal, mas não foi a mesma coisa que era quanto às fantasias que usava para praticar PMO. Como nessa época não tinha acesso à internet, procurava por cenas mais quentes na TV nas altas horas da madrugada ou em revistas pornográficas, também procurava pelos filmes VHS, sempre preferia aqueles que tinham cenas mais hot, ou seja, mais imorais, contrastante com os princípios éticos e morais da sociedade.

Com o passar do tempo fui intensificando a procura por materiais mais pesados e por contato real com garotas de programas para praticar as bizarrices e imbecilidades do fetiche que conforme o E – BOOK v1 pg. 50, “Quando você combina novidade com emoções intensas, como choque, medo ou mesmo vergonha, isso pode realmente explodir o circuito de recompensa do cérebro, aumentando a dopamina e a norepinefrina (uma substância química semelhante à adrenalina)” o que demonstra que as inúmeras novidades originadas dos fetiches os caracterizam como gênero altamente viciante em PMO.
Isso era angustiante, porque quando terminava uma prática real fetichista bizarra ou uma sessão de PMO baseada nessas imbecilidades eu ficava mal sem forças, abalado e cheio de perguntas como, será que gosto disso? Era terrível ter essa sensação e não saber o que na verdade se passava com minha sexualidade e porque está naquele estado de zumbi.

O pior ainda estava por acontecer e aconteceu. Ano de 2010 coloquei internet banda larga em casa com um notebook liberado para usar do jeito que queria, foi então que intensifiquei a busca pelas fantasias e contatos reais com praticantes das bestialidades pelas redes sociais e salas de bate papo. Além disso, tinha os sites XXX que ofereciam um imensidão de conteúdo dos mais variados gêneros e tipos de fantasias e fetiches. Destaco aqui que as salas de bate papo, web cam, whatssap, e mensagens de áudio e vídeo foram os meios mais utilizados para praticar a pornografia fetichista e procurar parceiras para a prática real das fantasias originadas dessa pornografia.

As tentativas de parar.

Após começar os primeiros sintomas de DE por volta do início de 2011 desconfiei que houvesse algo errado e comecei a pesquisar na internet sobre isso, sempre desconfiava que o hábito de ver pornografia e praticar masturbação estava me deixando esgotado. Então encontrei o site http://yourbrainonporn.com/ e a teoria do Dr. Gary Wilson, fiquei impressionado com aquilo, mas a dificuldade com a língua inglesa foi determinante para não entender tão bem essa teoria, iniciei um Reboot em novembro de 2011 e cheguei a ficar cerca de 45 dias, senti muita disposição e energia, mas em Janeiro de 2015 cai e tentava de novo mais caía em seguida.

Durante esse período abandonei a teoria científica e fui procurar ajuda na minha religião, me confessava com o Padre seguia as penitências, mas de nada adiantava, caía direto. Cheguei a sair da igreja católica e procurar a evangélica, mas também de nada adiantou porque o que precisava acontecer era minha mudança interna e isso eu não havia internalizado ainda por falta de informações precisas e de um método que me mostrasse o caminho a seguir, então sucedeu-se as sequências de queda. Não estou criticando as religiões, acredito que podem ajudar como forma motivacional e confesso que até minha fé aumentou depois do Reboot, mas esse problema é biológico e precisamos entender que como seres racionais temos um cérebro com bilhões de conexões através de neurônios e influenciado por diversos fatores, como o evolutivo que não acompanhou o desenvolvimento tecnológico e nos faz ficar iludidos diante de algo artificial como se aquilo fosse real, bom a teoria do Reboot e porque viciamos em pornografia, creio que todos já conhecem. Acontece que continuei viciado e os sintomas de DE e EP se aprofundaram.

A descoberta do Fórum e método como parar.

Estava no fundo do poço totalmente dessensibilizado e escalando para coisas cada vez mais terríveis no mundo dos fetiches. Então, em setembro de 2015 depois de ter trancado uma pós graduação (stricto sensus – nível mestrado) em minha área, isso teve muita influência da procrastinação originada do vício, perdi o namoro e estava desempregado, o que fazer? Naquele momento, havia chegado ao fundo do poço. Foi aí que resolvi me dar uma chance, procurei no youtube alguma coisa sobre vício em pornografia, e assistindo um vídeo que gostei, vi embaixo nos comentário, alguém que postou o endereço do site http://vicioempornografiacomoparar.com/ e Fórum http://comoparar.forumeiros.com/ pensei na hora, deve ser mais alguém querendo inventar histórias com isso, não vou dar confiança. Mesmo assim, abri o site e comecei a pesquisar e fui gostando e vi o link para um E-BOOK para minha felicidade baixei esse E-BOOK e quando comecei a ler, eu apenas pensei Caracas! Acho que encontrei a solução, esse livro foi escrito para mim, kkk.

Li o E-BOOK em três dias e já iniciei meu diário no Fórum, instalei bloqueadores, me inscrevi e iniciei atividades físicas na academia e sempre busquei aplicar os conceitos do método como parar, busquei sempre me motivar para seguir a jornada. Fixei uma meta quanto a leitura do E-BOOK, li no início do Reboot e fixei de ler a cada 30 dias e assim fiz li de novo aos 30, 60 e 90 dias, depois fixei outra meta para ler a cada três meses de Reboot e já li o E-BOOK pela 6ª vez.

Dificuldades durante o Reboot.

Não é fácil fazer o experimento Reboot, mas é perfeitamente possível. Considero que as principais dificuldades são no início do experimento. No meu caso tive algumas crises ou grandes fissuras, principalmente no início, nos primeiros 60 dias. Teve dias de vir aquela vontade imensa de ver P e praticar M, mas eu resistia, algumas vezes ia ao espelho do banheiro e batia na minha cara e jogava água gelada dizendo, eu vou vencer essa porra! Cérebro primitivo seu filho da puta você não vai me fazer cair nessa merda! kkk era coisa de doido, fiz isso porque eu também morava só e tinha essa liberdade, mas se tivesse algum vizinho escutando, certamente iria dizer que eu estava meio louco, conversando aquilo sozinho, kkkk.

Acontece que isso deu certo como forma de motivação e sempre todos os dias entrava no Fórum para alimentar meu diário e seguir na jornada do Reboot. Segui uma rotina forte de estudos para concursos e cheguei aos 90 dias em dezembro no final do ano de 2015. Próximo desses 90 dias eu tive uma fissura muito forte que resolvi fazer algo diferente, peguei minha moto e fui parar dentro de uma mata procurei uma cachoeira deserta, não tinha água nem tinha ninguém, mas fiquei ali em contato com a natureza e isso foi bom porque passou a fissura, kkkk.

Benefícios com o Reboot.

Durante os primeiros 90 dias de Reboot fiquei feliz por ter feito um concurso público federal e ter ficado no cadastro de reserva, pois essa foi a melhor colocação que já havia conseguido. Então percebi que o Reboot me oferecia mais energia + tempo para o estudo o que resultava em menos procrastinação, além do que com o cérebro livre da ativação das redes neurais do vício, eu estava focando exatamente nas redes neurais cognitivas, aquelas que realmente interessa para quem estuda.

Aos 97 dias de Reboot resolvi ter uma experiência sexual com uma amiga e precisava saber disso, então percebi que a DE sumiu, foi o fim da DE, fiquei muito feliz, mas preocupado porque a EP ainda persistia. Próximo dos 140 dias tive outra experiência sexual e ainda persistiam os sintomas de EP o que se repetiu próximo dos 180 dias, continuei firme no Reboot, durante esse período tive algumas racionalizações em voltar a praticar fetiches de forma real, mas quando pensava nisso percebia que também havia um certo efeito caçador para reativar as vias neurais fetichistas do mundo virtual. Fui controlando isso e não cedia a essas investidas do cérebro primitivo, por volta dos 240 dias tive mais umas experiências sexuais e fiquei super feliz, pois a EP também sumiu, poxa foi muito gratificante ter aquele orgasmo de forma natural saber que podia escolher o tempo certo para ter o clímax sexual.

Meus caros, no meio desse tempo fiz mais dois concursos e também tive bons resultados, comprovando que o Reboot pode colaborar com a conquista dos nossos objetivos de vida. Mudei de cidade recentemente e para me adaptar ao novo lugar e a nova rotina passei por alguns stress, isso me fez ter algum desejo de ver pornografia de certa forma para obter algum alívio, isso por conta de que pela mudança de rotina não estava praticando exercícios físicos como devia e não estava socializando na vida real conforme recomendação do método, me restando ficar muito tempo em casa estudando para os concursos, já que estou desempregado também.

Então isso causou um certo stress e me fez racionalizar em ver pornografia, eu pensei que merda é essa!!! Jamais vou jogar fora meu Reboot. Já sei o que vou jogar fora e joguei fora meu tablet e um chip de celular antigo que tinha alguns contatos da época do vicio em PMO, joguei mesmo e não me arrependo. Contudo, corrigi as falhas e já estou praticando exercício físico regularmente e também socializando e a vida continua. Então, acredito que o cérebro primitivo agora entendeu o recado de que para defender o Reboot eu faço qualquer coisa. Quebro o computador se for preciso ou corto a internet de casa e fico sem internet em último caso, kkkk.

Outros benefícios que podem ter relação com o Reboot:

– Maior sentimento de prazer, felicidade e bem-estar quando converso com meus familiares;
– Aumento dos pelos e maior fechamento da barba;
– Pele mais brilhante, menos opaca com uma sensação de rejuvenescimento;
– Maior sensação de está sendo observado pelas mulheres e também aumento dos flertes e paqueras no mundo real.
– Ereções matinais com frequências, algo que só acontecia na época da adolescência.

Recomendações pós 90 dias.

Os 90 dias não significam o fim do Reboot, é apenas um período para reflexão. Continuem firmes e vigilantes, aplicando o método sem ceder às armadilhas do cérebro primitivo. Eu passei mais de 20 anos no vício e pensar que estarei livre de tudo com 90 dias ou 300 dias é pura infantilidade, pois as redes neurais do vício estão apenas desativadas pelo não uso, mas se eu voltar a estimulá-las elas se reativam em questão de minutos.

Agradecimentos:

Em especial ao grande criador disso tudo em Língua Portuguesa, PROJETO. Esse rapaz está fazendo um trabalho social absurdo de importante e espero que um dia ele seja reconhecido por alguma autoridade, pelo menos para mim ele já é um dos caras que mudou minha vida. Também sou grato ao Dr. Gary Wilson que mesmo distante ajudou a todos com seus estudos sobre esse vício, assim como agradeço a todos os pesquisadores que se esforçam em obter dados confiáveis sobre esse problema de saúde pública.

Agradeço aos colegas de Fórum, Toguro, Blpr, Luis Santos, Magrao, Canaã, Antonio71 e a todos os moderadores (as) do Fórum que estão fazendo histórias nessa luta. Agradeço a todos usuários que estão no dia a dia do Fórum fazendo esse embate em busca de vitórias. Deixo a mensagem de que não é fácil, se fosse fácil todo mundo conseguia tranquilamente, se você quer fazer o experimento Reboot, temos um método comprovadamente eficiente, mas para seguir esse método precisa ser forte, o remédio é amargo, mas precisa ser tomado. O bom é saber que podemos vencer um dia de cada vez e obter muito sucesso nesse Novo Tempo e obter uma Nova Vida.

“Sem dor e sem suor sem vitórias”

Abçs.

Desejo-lhes muitos sucessos e muitas vitórias em suas jornadas.

Fonte: http://comoparar.forumeiros.com/t3600-300-dias-de-reboot-novo-tempo-nova-vida

  • gostei. realmente parece ser mt bom