Pesquisas Científicas Sobre o Vício em Pornografia

Por: Rafael Rossi
Por: Rafael Rossi

Psicólogo

“A ignorância não é apenas o que ainda não é conhecido, mas é também uma manobra política, uma criação deliberada de agentes poderosos que querem que você ‘não saiba’.”

Robert Proctor

Apesar da grande mídia e parte considerável dos especialistas em sexologia ainda negarem a existência de algo como um “Vício em Pornografia”, atualmente já existem mais de 40 estudos neurológicos que avaliaram diretamente o funcionamento e a estrutura do cérebro de usuários de Pornografia da Internet.

Até o presente momento nenhum deles conseguiu falsificar o modelo neurocientífico de dependência por pornografia.  Isso significa em termos técnicos que todas essas pesquisas, sem exceção, comprovaram a existência do fenômeno  do “Vício em Pornografia” (vide o conceito de vício e o princípio de falseabilidade das ciências).

Além disso, esses estudos são totalmente consistentes com mais de 200 outros estudos sobre vícios de internet, a maioria dos quais também incluem o uso de Pornografia da Internet.

Nesta página você irá encontrar uma lista atualizada de pesquisas e artigos científicos que comprovam entre outras coisas que  o uso de pornografia está diretamente associado à:

 

  • Disfunções sexuais,
  • Menor excitação e satisfação sexual nos relacionamentos,
  • Sintomas de escalada, habituação e tolerância (dependência),
  • Pior saúde mental, emocional e cognitiva,
  • Problemas pessoais e sociais diversos,
  • Ansiedade aguda,
  • Timidez, depressão, pior performance acadêmica,
  • Transtorno do déficit de atenção com hiperatividade,
  • Insatisfação nos relacionamentos interpessoais,
  • Queda na atratividade sexual,
  • Problemas de desempenho sexual,
  • Dificuldade orgástica,
  • Disfunção erétil,
  • Efeitos negativos sobre o sexo com um parceiro (a) real,
  • Necessidade crescente de uso de material pornográfico mais extremo,
  • Preferência pelo uso de Pornografia da Internet em vez de sexo com uma parceira (o) real para alcançar e manter a excitação sexual,
  • Indução de atitudes violentas contra às mulheres,
  • Entre outros…

Em suma, todos esses estudos suportam a premissa básica de nosso site que desde 2014 vem alertando que o uso de Pornografia da Internet pode causar alterações cerebrais nos indivíduos e causar dependência (ou seja, Vício).

Para acessar cada estudo, basta clicar nele. Boa Leitura!

Rafael Rossi

Pesquisa:O que a pesquisa diz:Contexto:Ano:Link de Acesso:
1Neuroscience of Internet Pornography Addiction: A Review and Update (2015).Uma revisão completa da literatura neurocientífica relacionada a sub-tipos de vício em Internet, com foco especial no vício em pornografia.Vício em Pornografia2015Acessar Pesquisa
2Sex Addiction as a Disease: Evidence for Assessment, Diagnosis, and Response to Critics (2015)Fornece um gráfico com críticas específicas aos negadores do vício em pornografia/sexo, oferecendo citações que os refutam.Vício em Pornografia2015Acessar Pesquisa
3Cybersex Addiction (2015).Com a ajuda de estudos de neuroimagem, demonstra semelhanças significativas entre o vício em sexo cibernético e outros vícios comportamentais, como a dependência de substâncias.Vício em Pornografia2015Acessar Pesquisa
4Neurobiology of Compulsive Sexual Behavior: Emerging Science (2016).O artigo procura demonstrar semelhanças entre o comportamento sexual compulsivo e o vício em drogas com a intenção de fornecer insights para intervenções mais efetivas no tratamento de vícios.Vício em Pornografia2016Acessar Pesquisa
5Should Compulsive Sexual Behavior be Considered an Addiction? (2016)Reúne dados significativos que sugerem que o envolvimento compulsivo com jogos, sexo e compras compartilha paralelos clínicos, genéticos, neurobiológicos e fenomenológicos com vícios em substâncias.Vício em Pornografia2016Acessar Pesquisa
6Neurobiological Basis of Hypersexuality (2016). Mostra várias evidências que sugerem que alterações no lobo frontal, amígdala, hipocampo, hipotálamo, septo e regiões do sistema de recompensas do cérebro desempenham um papel proeminente no surgimento da hipersexualidade.Vício em Pornografia2016Acessar Pesquisa
7Compulsive Sexual Behaviour as a Behavioural Addiction: The Impact of the Internet and Other Issues (2016).Descreve as muitas características específicas da Internet (acessibilidade, acessibilidade, anonimato, conveniência, fuga, desinibição, etc.) que podem facilitar e estimular o comportamento sexual compulsivo.Vício em Pornografia2016Acessar Pesquisa
8Searching for Clarity in Muddy Water: Future Considerations for Classifying Compulsive Sexual Behavior as An Addiction (2016).Demonstra que o comportamento sexual compulsivo (CSB) compartilha paralelos clínicos, neurobiológicos e fenomenológicos com os transtornos por uso de substâncias.Vício em Pornografia2016Acessar Pesquisa
9Is Internet Pornography Causing Sexual Dysfunctions? A Review With Clinical Reports (2016).Com a participação de 7 médicos da Marinha dos EUA e Gary Wilson (principal estudioso sobre o vício em pornografia no mundo), essa revisão da literatura fornece os dados mais recentes dos estudos neurológicos relacionados à dependência de pornografia na Internet.Vício em Pornografia2016Acessar Pesquisa
10Integrating Psychological and Neurobiological Considerations Regarding The Development and Maintenance of Specific Internet-Use Disorders: An Interaction of Person-Affect-Cognition-Execution model (2016)Os autores sugerem que o vício em pornografia deve ser classificado junto a outros vícios comportamentais em transtornos de uso de substâncias como comportamentos aditivos.Vício em Pornografia2016Acessar Pesquisa
11The Neurobiology of Sexual Addiction: Chapter from Neurobiology of Addictions, Oxford Press (2016) Este artigo analisa a base neurobiológica do vício em pornografia e, em seguida, discute como isso se relaciona com nossa compreensão atual da sexualidade como uma recompensa natural que pode se tornar “incontrolável” na vida de um indivíduo.Vício em Pornografia2016Acessar Pesquisa
12Neuroscientific Approaches to Online Pornography Addiction (2017)Este artigo resume os estudos que investigaram o consumo excessivo de pornografia à nível neural, chegando a conclusão de que as características observadas em homens diagnosticados com dependência sexual (vício em sexo) são, na verdade, o resultado do seu consumo excessivo de pornografia. Vício em Pornografia2017Acessar Pesquisa
13Is excessive sexual behaviour an addictive disorder? (2017)O artigo defende que a classificação do transtorno de comportamento sexual compulsivo como um transtorno aditivo (vício) é consistente com dados de pesquisas recentes e pode beneficiar clínicos, pesquisadores e indivíduos que sofrem e são afetados por esse transtorno.Vício em Pornografia2017Acessar Pesquisa
14The Proof of the Pudding Is in the Tasting: Data Are Needed to Test Models and Hypotheses Related to Compulsive Sexual Behaviors (2018) Este artigo sugere que o comportamento sexual compulsivo envolve a reatividade à pistas inicialmente neutras associadas à atividade sexual e estímulos sexuais, argumentando com isso que o diagnóstico de comportamento sexual compulsivo seja reclassificado nos manuais DSM-V e CID-11 como “Transtorno Relacionado a Substâncias e Vício” (vício).Vício em Pornografia2018Acessar Pesquisa
15Promoting educational, classification, treatment, and policy initiatives Commentary on: Compulsive sexual behaviour disorder in the ICD-11 (2018)O artigo comenta as consequências educacionais e terapêuticas com a mudança no manual de diagnóstico médico mais utilizado no mundo (CID-11) que incluiu um novo diagnóstico adequado para dependência de pornografia: “Transtorno Compulsivo de Comportamento Sexual”.Vício em Pornografia2018Acessar Pesquisa
16Compulsive Sexual Behavior in Humans and Preclinical Models (2018) Esta pesquisa resumiu os estudos comportamentais e de neuroimagem sobre Comportamento Sexual Compulsivo em humanos e analisou sua comorbidade com outros distúrbios, incluindo abuso de substâncias. Vício em Pornografia2018Acessar Pesquisa
17Sexual Dysfunctions in the Internet Era (2018) A pesquisa conclui, entre outras coisas, que o uso problemático da Internet e o consumo de pornografia on-line são fatores de risco para disfunções sexuais.Prejuízos Diversos2018Acessar Pesquisa
18Neurocognitive mechanisms in compulsive sexual behavior disorder (2018) Essa artigo demonstra o comportamento sexual compulsivo está associado a um funcionamento alterado em regiões do cérebro implicadas na sensibilização, habituação, descontrole de impulsos e processamento de recompensa em padrões como dependência de substância, jogos de azar e jogos de vídeo game. Vício em Pornografia2018Acessar Pesquisa
19Preliminary Investigation of The Impulsive And Neuroanatomical Characteristics of Compulsive Sexual Behavior (2009) Este estudo demonstra que varreduras cerebrais revelaram que os viciados em sexo tinham matéria branca do córtex pré-frontal desorganizada em comparação com as pessoas do grupo de controle.Vício em Pornografia2009Acessar Pesquisa
20Self-reported differences on measures of executive function and hypersexual behavior in a patient and community sample of men (2010)Esta pesquisa fornece evidências preliminares que sustentam a hipótese de que a disfunção executiva pode estar implicada no comportamento hipersexual.Vício em Pornografia2010Acessar Pesquisa
21Watching Pornographic Pictures on the Internet: Role of Sexual Arousal Ratings and Psychological-Psychiatric Symptoms for Using Internet Sex Sites Excessively (2011)Esta pesquisa traça paralelos entre os mecanismos cognitivos e cerebrais potencialmente contribuidores para a manutenção do cibersexo excessivo e aqueles descritos para indivíduos com dependência de substância.Vício em Pornografia2011Acessar Pesquisa
22Pornographic Picture Processing Interferes with Working Memory Performance (2013)Esta pesquisa mostra que o consumo de pornografia da Internet pode interferir na capacidade de memória de trabalho, resultando em uma negligência de informações ambientais relevantes e, portanto, em consequências desvantajosas para o individuo.Prejuízos Diversos2013Acessar Pesquisa
23Sexual Picture Processing Interferes with Decision-Making Under Ambiguity (2013) Este estudo demonstrou que o consumo de pornografia interfe na tomada de decisão de uma pessoa, o que pode explicar por que alguns indivíduos experimentam consequências negativas ao consumirem pornografia.Prejuízos Diversos2013Acessar Pesquisa
24Cybersex addiction: Experienced sexual arousal when watching pornography and not real-life sexual contacts makes the difference (2013)Os resultados desta pesquisa apóiam a hipótese de que o desenvolvimento e manutenção do vício em pornografia se devem exclusivamente à mecanismos de gratificação por reforço e que contatos sexuais ruins ou insatisfatórios na vida real não apresentam relação com o vício em pornografia.Vício em Pornografia2013Acessar Pesquisa
25Neural Correlates of Sexual Cue Reactivity in Individuals with and without Compulsive Sexual Behaviours (2014)Este primeiro de uma série de estudos da Universidade de Cambridge encontrou o mesmo padrão de atividade cerebral em viciados em pornografia como visto em viciados em drogas e alcoólatras.Vício em Pornografia2014Acessar Pesquisa
26Enhanced Attentional Bias towards Sexually Explicit Cues in Individuals with and without Compulsive Sexual Behaviours (2014)Este estudo converge com descobertas recentes de reatividade neural à gatilhos sexuais em viciados em pornografia similar àquela implicada em estudos de reatividade à drogas.Vício em Pornografia2014Acessar Pesquisa
27Cybersex addiction in heterosexual female users of internet pornography can be explained by gratification hypothesis (2014)Este estudo demonstra que vício em pornografia em mulheres heterossexuais usuárias de pornografia na internet pode ser explicado pela hipótese da gratificação (reforço).Vício em Pornografia2014Acessar Pesquisa
28Empirical Evidence and Theoretical Considerations on Factors Contributing to Cybersex Addiction From a Cognitive Behavioral View (2014)Neste estudo, 155 homens heterossexuais avaliaram 100 imagens pornográficas e indicaram o aumento da excitação sexual. Além disso, demonstraram tendências para vício em pornografia, sensibilidade à excitação sexual e uso disfuncional do sexo em geral. Vício em Pornografia2014Acessar Pesquisa
29Novelty, Conditioning and Attentional Bias to Sexual Rewards (2015)Nesse outro estudo de imagem por ressonância magnética da Universidade de Cambridge, mostra que em comparação com os controles, os cérebros dos viciados em pornografia se habituaram mais rápido às imagens sexuais. Conclui-se com isso que o vício em pornografia impulsiona a busca novidades pornôs na tentativa de superar a habituação e a dessensibilização por ele mesmo causadas. Vício em Pornografia2015Acessar Pesquisa
30Neural Substrates of Sexual Desire in Individuals with Problematic Hypersexual Behavior (2015)Este estudo coreano de imagem por ressonância magnética replicou os outros estudos feitos no cérebro em usuários de pornografia. Assim como os estudos da Universidade de Cambridge, ele encontrou padrões de ativação cerebral em viciados em pornografia que refletiam os mesmos padrões de viciados em drogas. Vício em Pornografia2015Acessar Pesquisa
31Modulation of Late Positive Potentials by Sexual Images in Problem Users and Controls Inconsistent with “Porn Addiction” (2015)Este estudo comparou os sujeitos viciados em pornografia com um grupo controle real. Os resultados: comparados aos controles, “indivíduos com problemas relacionados a visualização de pornografia” tiveram respostas cerebrais mais baixas à exposição à fotos de pornografia leve. O autor principal do estudo alega que esses resultados “desmascaram a teoria do vício em pornografia”. Mas na realidade, esses achados alinham-se perfeitamente com a teoria do vício, uma vez que o uso de pornografia correlaciona-se com menos ativação cerebral em resposta a imagens de pornografia leve (tolerância). Em suma: menores leituras de eletroencefalograma significam que os sujeitos estão menos sensíveis às imagens. Isso significa que essas pessoas foram dessensibilizados para imagens estáticas de pornografia leve. Ou seja, devido justamente ao vício, elas precisam de cada vez mais novidades pornográficas pesadas para se excitarem, por isso não reagiram à pornografia leve como o grupo de controle. Habituação e Dessensibilização são sintomas do vício e não de que "o sujeito não é afetado por pornografia", como concluiu de forma totalmente equivocada (ou mal intencionada) o autor. Vício em Pornografia2015Acessar Pesquisa
32HPA Axis Dysregulation in Men With Hypersexual Disorder (2015)Este estudo sobre viciados em sexo (hipersexuais) encontrou respostas de estresse alteradas semelhantes as descobertas encontradas em vícios de substâncias.Vício em Pornografia2015Acessar Pesquisa
33Prefrontal control and internet addiction: a theoretical model and review of neuropsychological and neuroimaging findings (2015)Os resultados deste estudo são comparáveis aos resultados de outros estudos em neuroimagem que enfatizam semelhanças neurais entre vício em pornografia e a dependências de outras substâncias ou vícios comportamentais.Vício em Pornografia2015Acessar Pesquisa
34Implicit associations in cybersex addiction: Adaption of an Implicit Association Test with pornographic pictures (2015)Este estudo compara os resultados de pesquisas sobre dependência química e enfatizam semelhanças entre vício em pornografia e da ependências de substâncias ou outros vícios comportamentais.Vício em Pornografia2015Acessar Pesquisa
35Symptoms of cybersex addiction can be linked to both approaching and avoiding pornographic stimuli: results from an analog sample of regular cybersex users (2015)Este estudo fornece evidências empíricas adicionais para as semelhanças entre vício em sexo cibernético (pornografia) e a dependências de substâncias.Vício em Pornografia2015Acessar Pesquisa
36Getting stuck with pornography? Overuse or neglect of cybersex cues in a multitasking situation is related to symptoms of cybersex addiction (2015)Os resultados dessa pesquisa indicam um controle executivo reduzido no desempenho multitarefa em usuários de pornografia quando confrontados com material pornográfico e que isso pode contribuir para comportamentos disfuncionais e outras conseqüências negativas na vida do indivíduo.Prejuízos Diversos2015Acessar Pesquisa
37Trading Later Rewards for Current Pleasure: Pornography Consumption and Delay Discounting (2015) O estudo mostra que o consumo de pornografia pode proporcionar gratificação sexual imediata, mas pode ter implicações que transcendem e afetam de forma negativa outros domínios da vida de uma pessoa, especialmente seus relacionamentos afetivos.Relacionamentos2015Acessar Pesquisa
38Sexual Excitability and Dysfunctional Coping Determine Cybersex Addiction in Homosexual Males (2015) O resultado desta pesquisa feita somente em homossexuais é comparável aos relatados para homens e mulheres heterossexuais em estudos anteriores e destacam o papel do reforço positivo e negativo no consumo de pornografia da internet.Diferenças de Gênero2015Acessar Pesquisa
39The Role of Neuroinflammation in the Pathophysiology of Hypersexual Disorder (2016)Este estudo relatou níveis mais elevados de Fator de Necrose Tumoral circulante (TNF) em viciados em sexo quando comparado a controles saudáveis. Níveis elevados de TNF também foram encontrados viciados em drogas (álcool, heroína, metanfetamina), havendo fortes correlações entre os níveis de TNF e escalas de avaliação que medem a hipersexualidade.Vício em Pornografia2016Acessar Pesquisa
40Compulsive Sexual Behavior: Prefrontal And Limbic Volume and Interactions (2016) Neste estudo de imagens por ressonância magnética, foi detecado que em comparação com controles saudáveis, os indivíduos viciados em pornografia, aumentaram o volume da amígdala esquerda e reduziram a conectividade funcional entre a amígdala e o córtex pré-frontal dorsolateral DLPFC. Vício em Pornografia2016Acessar Pesquisa
41Ventral Striatum Activity When Watching Preferred Pornographic Pictures is Correlated With Symptoms of Internet Pornography Addiction (2016)Este estudo alemão feito com imagens de ressonância magnética mostrou que atividade do centro de recompensa do cérebro (corpo estriado ventral) é maior para imagens pornográficas. Indicando que esse tipo de sensibilização se alinha perfeitamente com os modelos teóricos de dependência por outras substâncias, conclui-se que a "base neurocientífica do vício em pornografia na Internet" pode ser sim comparada a de outros vícios".Vício em Pornografia2016Acessar Pesquisa
42Altered Appetitive Conditioning and Neural Connectivity in Subjects With Compulsive Sexual Behavior (2016)Os resultados desta pesquisa sugerem uma maior ativação da amígdala e uma diminuição na conectividade entre o corpo estriado ventral e o córtex pré-frontal, resultando em uma menor capacidade de controlar os impulsos em pessoas com comportamento sexual compulsivoVício em Pornografia2016Acessar Pesquisa
43Compulsivity Across the Pathological Misuse of Drug and Non-Drug Rewards (2016) Este estudo de ressonância magnética da Universidade de Cambridge compara aspectos da compulsividade em alcoólatras, comedores compulsivos, viciados em videogames e viciados em pornografia, sugerindo maior sensibilidade às recompensas neste tipo de indivíduos.Vício em Pornografia2016Acessar Pesquisa
44Subjective Craving for Pornography and Associative Learning Predict Tendencies Towards Cybersex Addiction in a Sample of Regular Cybersex Users (2016)Essa pesquisa sugere que o aprendizado associativo pode ter um papel crucial no desenvolvimento do vício em pornografia e fornece evidências empíricas adicionais para similaridades entre a dependência de outras substâncias e o vício em pornografia.Vício em Pornografia2016Acessar Pesquisa
45Problematic sexual behavior in young adults: Associations across clinical, behavioral, and neurocognitive variables (2016)Este estudo indica que Indivíduos com Comportamento Sexual Problemático exibiram vários déficits neuro-cognitivos. Esses achados indicam pior funcionamento executivo (hipofrontalidade) nessas pessoas, o que é também uma característica fundamental do cérebro de dependentes de drogas.Vício em Pornografia2016Acessar Pesquisa
46Methylation of HPA Axis Related Genes in Men With Hypersexual Disorder (2017)O estudo encontrou mudanças epigenéticas em genes centrais para a resposta do estresse humano e intimamente associados ao vício. As alterações epigenéticas relatadas neste estudo resultaram em alteração na atividade do gene do CRF. CRF é um neurotransmissor e hormônio que impulsiona comportamentos de dependência e desempenha um importante papel em muitos dos sintomas de abstinência experimentados em vícios comportamentais, incluindo o vício em pornografia.Vício em Pornografia2017Acessar Pesquisa
47Exploring the Relationship between Sexual Compulsivity and Attentional Bias to Sex-Related Words in a Cohort of Sexually Active Individuals (2017)Essa pesquisa concluiu que quanto mais anos de “atividade sexual compulsiva”, maior será a habituação ou entorpecimento geral da resposta ao prazer (dessensibilização) em pessoas viciadas.Vício em Pornografia2017Acessar Pesquisa
48Executive Functioning of Sexually Compulsive and Non-Sexually Compulsive Men Before and After Watching an Erotic Video (2017) Essa pesquisa demonstrou que a exposição à pornografia afetou o funcionamento executivo em homens com “comportamentos sexuais compulsivos”, mas não afetou controles saudáveis. O mau funcionamento executivo, quando exposto a gatilhos relacionadas à dependência é uma característica marcante dos distúrbios de substâncias pois indicam circuitos pré-frontais alterados e sensibilização.Vício em Pornografia2017Acessar Pesquisa
49Can Pornography be Addictive? An fMRI Study of Men Seeking Treatment for Problematic Pornography Use (2017)Essa pesquisa sugere que o uso problemático de pornografia pode representar um vício comportamental e que direcionar as intervenções clínicas no contextos de vícios comportamentais e de substâncias pode garantir uma melhor adaptação e ajuda para homens com uso problemático de pornografia.Vício em Pornografia2017Acessar Pesquisa
50Conscious and Non-Conscious Measures of Emotion: Do They Vary with Frequency of Pornography Use? (2017)O estudo avaliou as respostas neurais dos usuários de pornografia a várias imagens indutoras de emoções - incluindo erótica e encontrou várias diferenças neurológicas entre usuários de pornografia de baixa e de alta frequência. Os resultados sugerem que o aumento do uso de pornografia influencia as respostas não conscientes do cérebro aos estímulos indutores de emoções.Vício em Pornografia2017Acessar Pesquisa
51Exposure to Sexual Stimuli Induces Greater Discounting Leading to Increased Involvement in Cyber Delinquency Among Men (2017)Este estudo demonstrou que o uso de pornografia aumenta a impulsividade e pode reduzir certas funções executivas como autocontrole, julgamento, previsão de consequências e controle de impulsos. Sugerindo também que o consumo de pornografia da internet pode estar associado a delinquência cibernética .Prejuízos Diversos2017Acessar Pesquisa
52Predictors for (Problematic) Use of Internet Sexually Explicit Material: Role of Trait Sexual Motivation and Implicit Approach Tendencies Towards Sexually Explicit Material (2017)Este estudo demonstra que pessoas que consomem pornografia possuem um viés atencional de maior reatividade, sensibilidade e desejo induzido por sugestão, sendo mais atraídos por gatilhos sexuais na Internet, resultando em maior quantidade de tempo gasto em sites de pornografia.Prejuízos Diversos2017Acessar Pesquisa
53Pornography Addiction Detection based on Neurophysiological Computational Approach (2018) Nesta pesquisa, foram examinados a área frontal do cérebro de usuários de pornografia através da técnica de eletroencefalografia (EEG), demonstrando como resultado que usuários dependentes de pornografia tiveram baixa atividade de ondas alfa na região frontal do cérebro em comparação com participantes não viciados.Vício em Pornografia2018Acessar Pesquisa
54Gray matter deficits and altered resting-state connectivity in the superior temporal gyrus among individuals with problematic hypersexual behavior (2018)Este estudo sugere déficits de substância cinzenta e conectividade de estado de repouso alterada no giro temporal superior entre indivíduos com comportamento hipersexual problemáticoPrejuízos Diversos2018Acessar Pesquisa
55Tendencies toward Internet-pornography-use disorder: Differences in men and women regarding attentional biases to pornographic stimuli (2018)Essa pesquisa estudou a relação entre o viés atencional e a severidade dos sintomas de transtornos por uso de pornografia entre homens e mulheres. Enquanto homens e mulheres geralmente diferem em tempos de reação a imagens pornográficas, uma análise de regressão moderada revelou que os vieses de atenção ocorrem independentemente do sexo no contexto dos sintomas da desordem pelo uso de pornografia.Vício em Pornografia2018Acessar Pesquisa
56Is High Sexual Desire a Facet of Male Hypersexuality? Results from an Online Study. (2015) Os pesquisadores investigaram se “o alto desejo sexual" não seria apenas uma faceta do diagnóstico de "hipersexualidade" masculina, mas os resultados do estudo apontaram para uma fenomenologia distinta entre os dois fenômenos.Vício em Pornografia2015Acessar Pesquisa
57Hypersexuality and High Sexual Desire: Exploring the Structure of Problematic Sexuality (2015) Outro estudo sobre Hipersexualidade e alto desejo sexual: também encontrou pouca sobreposição entre os dois fenômenos, apoiando a distinção entre hipersexualidade e alto desejo/atividade sexual.Vício em Pornografia2015Acessar Pesquisa
58Neural Correlates of Sexual Cue Reactivity in Individuals with and without Compulsive Sexual Behaviours (2014) Este estudo de imagem por ressônancia magnética funcional da Universidade de Cambridge comparou viciados em pornografia a controles saudáveis. O estudo descobriu que os indivíduos viciados em pornografia tiveram uma dificuldade significativa para a excitação sexual e experimentaram dificuldades em obter uma ereção nas relações sexuais íntimas, mas não obtiveram dificuldades com material sexualmente explícito, quando comparados aos controles. Os sujeitos viciados em pornografia relataram que como resultado do uso excessivo de materiais sexualmente explícitos experimentaram diminuição da libido ou da função erétil, especificamente em relacionamentos físicos com mulheres (embora não em relação ao material sexualmente explícito).Vício em Pornografia2014Acessar Pesquisa
59 Patient Characteristics by Type of Hypersexuality Referral: A Quantitative Chart Review of 115 Consecutive Male Cases (2015)Nesse estudo com 115 casos de homens com transtornos de hipersexualidade, 27 foram classificados como “masturbadores evitativos”, o que significa que se masturbavam com pornografia uma ou mais horas por dia ou mais de 7 horas por semana. Desses, 71% dos usuários compulsivos de pornografia relataram problemas de funcionamento sexual, com 33% relatando atraso na ejaculação.Prejuízos Diversos2015Acessar Pesquisa
60Adolescents and web porn: a new era of sexuality (2015)Este estudo italiano analisou os efeitos da pornografia na Internet em estudantes do ensino médio. A descoberta mais interessante é que 16% daqueles que consomem pornografia mais de uma vez por semana relatam desejo sexual anormalmente baixo comparado com 0% em não consumidores (e 6% para aqueles que consomem menos de uma vez por semana). 21,9% definem como habitual, 10% relatam que reduz o interesse sexual para potenciais parceiros na vida real, e os restantes, 9,1% relatam uma espécie de vício. Além disso, 19% dos consumidores de pornografia em geral relatam uma resposta sexual anormal, enquanto a porcentagem subiu para 25,1% entre os consumidores regulares. ”Prejuízos Diversos2015Acessar Pesquisa
61Brain Structure and Functional Connectivity Associated With Pornography Consumption: The Brain on Porn (2014)Este estudo do instituto Max Planck encontrou 3 mudanças cerebrais importantes em indivíduos víciados em pornografia. Descobriu-se que quanto mais pornografia consumida menos atividade no circuito de recompensa em resposta à breve exposição (0,530 segundo) à pornografia leve. Isso significa que sujeitos com alto consumo de pornografia precisa aumentar a estimulação para receber a mesma quantia de recompensa (prazer). Ou seja, o consumo regular de pornografia desgasta seu sistema de recompensas, fazendo com que ele precise de estimulação crescente. Quanto mais horas de uso de pornografia os participantes relataram, menor a resposta no putâmen esquerdo para imagens sexuais. Além disso, foi notado que mais horas gastas assistindo pornografia estavam associadas com um menor volume de massa cinzenta no corpo estriado, mais precisamente no caudado direito chegando ao putâmen ventral. Esse déficit do volume estrutural do cérebro é o reflexo da tolerância após a dessensibilização aos estímulos sexuais, algo comum à maioria dos vícios.Vício em Pornografia2014Acessar Pesquisa
62Unusual masturbatory practice as an etiological factor in the diagnosis and treatment of sexual dysfunction in young men (2014) Um dos 4 estudos de caso deste artigo relata um homem com problemas sexuais induzidos por pornografia (baixa libido, fetiches, anorgasmia). Após ele ficar em abstinência de pornografia e masturbação por 8 meses (reboot), o homem relatou: "aumento do desejo sexual", "sexo e orgasmo bem-sucedidos" e "estar desfrutando de boas práticas sexuais".Prejuízos Diversos2014Acessar Pesquisa
63Pornography use: who uses it and how it is associated with couple outcomes (2012) Este estudo demonstrou que que não houve diferenças no desejo sexual entre os usuários de pornografia e os não usuários, no entanto o uso de pornografia foi consistentemente correlacionado com baixos escores na satisfação sexual em usuários de pornorafia em comparação com não usuários.Prejuízos Diversos2012Acessar Pesquisa
64Sexual Desire, not Hypersexuality, is Related to Neurophysiological Responses Elicited by Sexual Images (2013)Em consonância com os estudos de varredura do cérebro da Universidade de Cambridge, este estudo de eletroencefalografia relatou uma maior reatividade à gatilhos de pornografia correlacionada com menos desejo de sexo com um parceiro(a) real. Para colocar de outra forma: indivíduos com mais ativação cerebral e desejos por pornografia preferem se masturbar com a pornografia do que fazer sexo com uma pessoa real. Com base nesse resultado, a autora do estudo (que por sinal, possui contra ela consistentes acusações de ter relações diretas com a indústria pornográfica) concluiu erronamente(ou propositalmente?) que os usuários de pornografia têm apenas "alta libido", mas os resultados da sua própria pesquisa a contradizem. Relacionamentos2013Acessar Pesquisa
65Use of pornography in a random sample of Norwegian heterosexual couples (2009) Neste estudo com casais, o uso de pornografia foi correlacionado com mais disfunções sexuais nos homens e mais autopercepção negativa nas mulheres. Os casais que não usavam pornografia não apresentaram disfunções sexuais. Relacionamentos2009Acessar Pesquisa
66Masturbation and Pornography Use Among Coupled Heterosexual Men With Decreased Sexual Desire: How Many Roles of Masturbation? (2015) Neste estudo com homens heterossexuais em um relacionamento, foi descoberto que a masturbação para a pornografia está relacionada com o tédio sexual, a diminuição do desejo sexual e a baixa intimidade nos relacionamentos. Relacionamentos2015Acessar Pesquisa
67Men’s Sexual Life and Repeated Exposure to Pornography. A New Issue? (2015)Neste estudo sobre a vida sexual do homem e a exposição à pornografia, os pesquisadores concluiram que os especialistas em saúde mental devem levar mais em consideração os possíveis efeitos do consumo de pornografia sobre comportamentos sexuais masculinos.Vício em Pornografia2015Acessar Pesquisa
68Understanding the Personality and Behavioral Mechanisms Defining Hypersexuality in Men Who Have Sex With Men (2016)Este estudo suporta a conceituação da hipersexualidade como uma disfunção da sexualidade e conclui que não parece que a hipersexualidade seja uma manifestação de desejo sexual elevado, mas sim que ela envolva alta excitação e falta de controle inibitório.Vício em Pornografia2016Acessar Pesquisa
69Hypersexual, Sexually Compulsive, or Just Highly Sexually Active? Investigating Three Distinct Groups of Gay and Bisexual Men and Their Profiles of HIV-Related Sexual Risk (2016)Este estudo procura enfatizar as diferenças entre desejo sexual elevado e o vício em sexo, com a intenção de melhorar programas de prevenção ao HIV.Vício em Pornografia2016Acessar Pesquisa
70The effects of sexually explicit material use on romantic relationship dynamics (2016)Nosse estudo foi descoberto que os usuários de alta frequência de pornografia são mais propensos a ter menor satisfação e menor intimidade nos relacionamentos românticos.Relacionamentos2016Acessar Pesquisa
71Male masturbation habits and sexual dysfunctions (2016) Esta pesquisa concluiu que a masturbação viciosa, muitas vezes acompanhada por uma dependência em pornografia, tem um papel central na etiologia de certos tipos de disfunção erétil e anejaculação do coito.Prejuízos Diversos2016Acessar Pesquisa
72The Dual Control Model – The Role Of Sexual Inhibition & Excitation In Sexual Arousal And Behavior (2007)Neste experimento que empregou pornografia em vídeo, os pesquisadores chegaram a conclusão de que uma alta exposição à pornografia resulta em uma menor responsividade ao erotismo sexual“leve” e uma maior necessidade de novidade e variação, combinados com uma necessidade de muito tipos específicos de estímulos para se excitar. Relacionamentos2007Acessar Pesquisa
73Online sexual activities: An exploratory study of problematic and non-problematic usage patterns in a sample of men (2016)Este estudo de uma importante universidade de pesquisa da Bélgica descobriu que o uso problemático da pornografia na Internet está associado à redução da função erétil e à redução da satisfação sexual geral.Prejuízos Diversos2016Acessar Pesquisa
74Altered Appetitive Conditioning and Neural Connectivity in Subjects With Compulsive Sexual Behavior (2016) Neste estudo com sujeitos diagnosticados com "Comportamentos sexuais compulsivos" ques consumiam em média 20 horas de pornografia por semana, 3 dos 20 sujeitos diagnosticados com "Comportamentos sexuais compulsivos" disseram aos entrevistadores que sofriam de "transtorno de ereção orgásmica", enquanto nenhum dos sujeitos do controle relataram quaisquer problemas sexuais.Prejuízos Diversos2016Acessar Pesquisa
75Study sees link between porn and sexual dysfunction (2017)Essa pesquisa da American Urological Association, concluiu que Homens viciados em pornografia são mais propensos a sofrer de disfunção erétil e são menos propensos a ficarem satisfeitos com a relação sexual, em comparação aquelas que não são viciados.Prejuízos Diversos2017Acessar Pesquisa
76“I think it has been a negative influence in many ways but at the same time I can’t stop using it”: Self-identified problematic pornography use among a sample of young Australians (2017)Neste estudo Australiano com participantes do sexo masculino de 18 à 29 anos de idade, relataram uso problemático da pornografia destacaram os efeitos em três áreas: na função sexual, na excitação e nos relacionamentos e, ao mesmo tempo, relataram dificuldade em conseguir parar de usá-la.Prejuízos Diversos2017Acessar Pesquisa
77Exploring the Relationship Between Erotic Disruption During the Latency Period and the Use of Sexually Explicit Material, Online Sexual Behaviors, and Sexual Dysfunctions in Young Adulthood (2009) O estudo examinou as correlações entre o uso atual de pornografia e disfunções sexuais e o uso de pornografia durante o “período de latência” (idades de 6 a 12 anos) e disfunções sexuais. Resultados: enquanto o uso atual da pornografia se correlacionou com disfunções sexuais, o uso de pornografia durante a latência (idades de 6 a 12 anos) teve uma correlação ainda mais forte com as disfunções sexuais.Prejuízos Diversos2009Acessar Pesquisa
78Clinical encounters with internet pornography (2008)Um artigo abrangente, com quatro casos clínicos, escrito por um psiquiatra que tomou conhecimento dos efeitos negativos que a pornografia na internet estava tendo em alguns de seus pacientes do sexo masculino.Vício em Pornografia2009Acessar Pesquisa
79 Sexually Explicit Media Use by Sexual Identity: A Comparative Analysis of Gay, Bisexual, and Heterosexual Men in the United States (2016)Estudo sobre os hábitos de consumo de usuários de pornografia. Importante para entender como o vício leva a escalada e ao consumo de pornografia cada vez mais diversa, independente da sua identidade sexual.Vício em Pornografia2016Acessar Pesquisa
80Online sexual activities: An exploratory study of problematic and non-problematic usage patterns in a sample of men” (2016)Outro estudo sobre uma escalada: 49% dos homens relataram ter visto pornografia que não era anteriormente interessante para eles ou que eles consideravam nojento. Vício em Pornografia2016Acessar Pesquisa
81The Dual Control Model: The Role Of Sexual Inhibition & Excitation In Sexual Arousal And Behavior (2007)Neste experimento que empregou pornografia em vídeo, 50% dos rapazes (de idade média de 29 anos) não conseguiu ficar excitado ou ter ereções com pornografia. Os pesquisadores descobriram que a disfunção erétil masculina estava relacionada a altos níveis de exposição e experiência com pornografia.Prejuízos Diversos2007Acessar Pesquisa
82Does deviant pornography use follow a Guttman-like progression?” (2013).As descobertas deste estudo sugerem que o uso de pornografia na Internet pode seguir uma progressão semelhante à de Guttman. Para que esse relacionamento seja uma progressão semelhante à de Guttman, é mais provável que o uso de pornografia infantil ocorra após outras formas de uso de pornografia. Ou seja, o estudo sugere que indivíduos que se envolvem em pornografia adulta em uma idade mais jovem podem estar em maior risco de se engajar em outras formas desviantes de pornografia, como pornografia infantil, por exemplo.Prejuízos Diversos2013Acessar Pesquisa
83 Deviant Pornography Use: The Role of Early-Onset Adult Pornography Use and Individual Differences (2016).Os resultados desta pesquisa indicaram que os usuários de pornografia adulta e desviante tiveram uma pontuação significativamente maior no item "abertura à experiência" e relataram uma idade significativamente menor de início para o uso de pornografia adulta em comparação com os usuários de pornografia não desviante.Prejuízos Diversos2016Acessar Pesquisa
84Shifting Preferences In Pornography Consumption (1986) Esse experimento de seis semanas de exposição à pornografia não violenta resultou em indivíduos com pouco interesse em "pornografia leve", optando por assistir quase exclusivamente a “pornografia incomum” (escravidão, sadomasoquismo, bestialidade).Prejuízos Diversos1986Acessar Pesquisa
85Examining Correlates of Problematic Internet Pornography Use Among University Students (2016)Essa pesquisa descobriu que uso de pornografia na Internet está associado a um pior funcionamento psicossocial em estudantes universitários, quando eles começam a usar pornografia diariamente.Prejuízos Diversos2016Acessar Pesquisa
86The Relationship between Frequent Pornography Consumption, Behaviors, and Sexual Preoccupancy among Male Adolescents in Sweden (2017)Os autores dessa pesquisa sugerem que o consumo frequente de pornografia pode levar a uma preferência por pornografia hard-core ou violenta.Prejuízos Diversos2017Acessar Pesquisa
87The Development of the Problematic Pornography Consumption Scale (PPCS) (2017)Este estudo fez um questionário amplo e direto sobre escalada (tolerância) e sindrome de abstinência e ambos os sintomas foram relatados por usuários de pornografia.Vício em Pornografia2017Acessar Pesquisa
88Out-of-control use of the internet for sexual purposes as behavioural addiction? (2017)Um estudo apresentado na 4ª Conferência Internacional sobre Vícios Comportamentais fez um questionário sobre a tolerância e a retirada e encontrou ambos os sintomas em "viciados em pornografia".Vício em Pornografia2017Acessar Pesquisa
89Internet pornography and paedophilia (2013)Este estudo sobre pornografia da internet e pedofilia, chegou a conclusão de que existem evidências clínicas e pesquisa suficientes para sugerir que a Internet não apenas está chamando a atenção de pessoas com interesses pedófilos já existentes, mas também está contribuindo para a cristalização desses interesses em pessoas sem interesse sexual explícito anterior em crianças.Prejuízos Diversos2013Acessar Pesquisa
90How difficult is it to treat delayed ejaculation within a short-term psychosexual model? A case study comparison” (2017)Este artigo afirma que a ejaculação retardada relacionada à pornografia não é incomum e está em ascensão. Em um dos estudos de caso analisado por ele, a ejaculação retardada de um paciente foi curada após 10 semanas sem o uso de pornografia (reboot). Reboot2017Acessar Pesquisa
91A qualitative study of cybersex participants: Gender differences, recovery issues, and implications for therapists” (2000) Neste estudo qualitativo, alguns entrevistados descreveram uma rápida progressão de uso compulsivo de pornografa depois que descobriram o sexo na Internet. As conseqüências adversas relatadas por eles incluíram: depressão e outros problemas emocionais, isolamento social, piora do relacionamento sexual com cônjuge ou parceiro, danos causados ao casamento ou relacionamento primário, exposição de crianças a pornografia ou masturbação on-line, perda de carreira ou redução no desempenho profissional, outras consequências financeiras e, em alguns casos, até consequências legais.Prejuízos Diversos2000Acessar Pesquisa
92Sexual Arousal and Sexually Explicit Media (SEM): Comparing Patterns of Sexual Arousal to SEM and Sexual Self-Evaluations and Satisfaction Across Gender and Sexual Orientation (2017)Este estudo desmascara a alegação de que os usuários de pornografia gostam apenas de uma pequena variedade de gêneros. Embora não tenha perguntando diretamente sobre a escalada ao longo do tempo, o estudo descobriu que os usuários de pornografia, gostam de assistir diferentes gêneros pornográficos.Vício em Pornografia2017Acessar Pesquisa
93The Development and Validation of the Bergen-Yale Sex Addiction Scale With a Large National Sample (2018)Ao desenvolver e validar um novo questionário de “dependência sexual” (já que os questionários anteriores omitiram os principais elementos do vício) este estudo, refuta a afirmação, muitas vezes repetida, de que os viciados em pornografia e sexo não experimentam tolerância ou sintomas de abstinência.Vício em Pornografia2018Acessar Pesquisa
94Exposure to online sexual materials in adolescence and desensitization to sexual content (2018)Um raro estudo longitudinal que comprova que a exposição à pornografia na adolescência leva à dessensibilização e à habituação ao material pornográfico.Vício em Pornografia2018Acessar Pesquisa
95Pornographic binges as a key characteristic of males seeking treatment for compulsive sexual behaviors: Qualitative and quantitative 10-week-long diary assessment (2018) Este estudo conduziu entrevistas com homens em busca de tratamento para o vício em pornografia . Todos os pacientes sofreram de fantasias e comportamentos sexuais recorrentes e admitiram que seu comportamento sexual resultou em negligência de tarefas importantes da vida, uma progressão gradual do problema, tentativas de acabar com o vício e recaídas. Também admitiram recorrer à visualização de pornografia acompanhada de masturbação para lidar com eventos estressantes da vida.Prejuízos Diversos2018Acessar Pesquisa
96Structural Therapy With a Couple Battling Pornography Addiction (2012)Utilizando um estudo de caso real com um casal, este artigo afirma que relacionamentos podem ser adversamente afetados pelas influências viciantes da pornografia e que o vício em pornografia pode ter impactos neurológicos e influenciar negativamente as relações entre casais. Relacionamentos2012Acessar Pesquisa
97Consequences of Pornography Use (2017)Este estudo perguntou se os usuários de internet sentiam ansiedade quando não conseguiam acessar pornografia na internet (um dos sintoma de abstinência): 24% relataram que experimentaram ansiedade e 1/3 dos participantes relata ter sofrido consequências negativas no ambiente familiar, social, acadêmico ou laboral relacionadas ao uso de pornografiaPrejuízos Diversos2017Acessar Pesquisa
98So why did you do it?: Explanations provided by Child Pornography Offenders (2013)Este estudo mostra, baseado em casos reais de consumidores de pornografia infantil, que a exposição prolongada à pornografia legal, pode levar à dessensibilização e consequentemente ao uso de pornografia ilegal (como a pornografia infantil, por exemplo).Prejuízos Diversos2013Acessar Pesquisa
99Effect of Pornography Exposure on Junior High School Teenagers of Pontianak in 2008 (2009) Nete estudo de uso de pornografia feito na Malásia com estudantes do ensino fundamental, foi relatado escalada em material mais extremo, dessensibilização e dependência de pornografia em uma população adolescente.Adolescentes2009Acessar Pesquisa
100Exploring the way sexually explicit material informs sexual beliefs, understanding and practices of young men: a qualitative survey (2018) Um pequeno estudo qualitativo em homens com idades entre 18 e 25 anos que explora a influência a exposição à pornografia através de auto-relatos. Vários relataram efeitos negativos, incluindo preocupações sobre tolerância e a escalada resultante do uso de pornografia.Prejuízos Diversos2018Acessar Pesquisa
101Technology-mediated addictive behaviors constitute a spectrum of related yet distinct conditions: A network perspective (2018) O estudo avaliou a sobreposição entre 4 tipos de vício em tecnologia: Internet, smartphone, jogos e cibersexo (pornografia). Descobriu-se que cada um é um vício distinto, mas todos os 4 envolviam sintomas de abstinência - incluindo o vício em pornografia.Vício em Pornografia2018Acessar Pesquisa
102Sexual Interests of Child Sexual Exploitation Material (CSEM) Consumers: Four Patterns of Severity Over Time (2018)Estudo analisou a evolução ao longo do tempo da atividade de consumidores de pornografia infantil, utilizando dados extraídos dos discos rígidos de 40 indivíduos condenados. Descobriu-se que o padrão mais prevalente era aumento no grau extremo dos atos sexuais para os colecionadores de pornografia em comparação com os infratores de contato.Prejuízos Diversos2018Acessar Pesquisa
103Situational Psychogenic Anejaculation: A Case Study (2014).Um estudo de um caso de anejaculação induzida por pornografia. A única experiência sexual do marido antes do casamento foi a masturbação frequente com pornografia, onde ele era capaz de ejacular. Ele também relatou que a relação sexual real é menos excitante para ele do que a masturbação com a pornografia. O interessante aqui é que o “re-treinamento” e a psicoterapia não conseguiram curar a sua anejaculação. Quando essas intervenções falharam, os terapeutas sugeriram uma proibição completa da masturbação com pornografia por um período de tempo (o reboot). Essa proibição resultou na cura da anejaculação e em relações sexuais com sucesso com um parceiro real pela primeira vez na vida do paciente.Relacionamentos2014Acessar Pesquisa
104Erectile Dysfunction, Boredom, and Hypersexuality among Coupled Men from Two European Countries (2015)Esta pesquisa encontrou uma forte correlação entre disfunção erétil, tédio sexual e hipersexualidade. Prejuízos Diversos2015Acessar Pesquisa
105An Online Assessment of Personality, Psychological, and Sexuality Trait Variables Associated with Self-Reported Hypersexual Behavior (2015)Essa pesquisa concluiu que viciados em pornografia e sexo relatam maior excitação (desejos relacionados ao seu vício) combinada com uma pior função sexual (medo de experimentar disfunção erétil).Prejuízos Diversos2015Acessar Pesquisa
106Associative pathways between pornography consumption and reduced sexual satisfaction (2017) Neste estudo foi descoberto que a frequência do consumo de pornografia está associada à percepção da pornografia como fonte primária de informação sexual, a preferência da pornografia à excitação sexual com um(a) parceria(o) real, a desvalorização da comunicação sexual e à menor satisfação sexual.Relacionamentos2017Acessar Pesquisa
107 Organic and psychogenic causes of sexual dysfunction in young men (2017) Uma revisão da literatura com uma seção chamada "Papel da Pornografia na Ejaculação Retardada (DE)". A conclusão é que quanto mais um homem sensibiliza sua excitação sexual para a pornografia, o sexo na vida real não ativa mais as vias neurológicas adequadas para ejaculação normal.Relacionamentos2017Acessar Pesquisa
108Pornography increasingly damaging health and relationships says Brno’s University Hospital study (2018)Neste estudo Checo foi concluído que o uso excessivo da pornografia da internet pode resultar em dependência, que se manifesta por disfunção sexual, desordem de relacionamentos levando ao isolamento social, concentração interrompida e negligência de responsabilidades de trabalho, onde apenas o sexo desempenha um papel dominante na vida do indivíduo.Prejuízos Diversos2018Acessar Pesquisa
109Pornography Consumption and Satisfaction: A Meta-Analysis (2017) Esta meta-análise de vários outros estudos que avaliam satisfação sexual e relacionamento concluiu que o uso de pornografia da internet está relacionado à menor satisfação sexual, menor satisfação de relacionamento e menor satisfação interpessoal.Prejuízos Diversos2017Acessar Pesquisa
110Women’s perceptions of their male partners’ pornography consumption and relational, sexual, self, and body satisfaction: toward a theoretical model (2017)Essa meta-análise de estudos quantitativos realizados até o momento, suporta a hipótese de que a maioria das mulheres é impactada negativamente pela percepção de que o seu parceiro é um consumidor de pornografia. A percepção dos parceiros como consumidores de pornografia foi significativamente associada nessas mulheres à: menor satisfação sexual, menor satisfação no relacionamento, menor satisfação consigo e com o próprio corpo. Relacionamentos2017Acessar Pesquisa
111A Love That Doesn’t Last: Pornography Consumption and Weakened Commitment to One’s Romantic Partner (2012) O estudo acompanhou sujeitos tentando abster-se de uso de pornográfia por 3 semanas. Ao comparar os dois grupos, aqueles que continuaram usando pornografia relataram níveis mais baixos de fidelidade à sua parceira amorosa do que aqueles que tentaram se abster.Relacionamentos2012Acessar Pesquisa
112Internet pornography and relationship quality: A longitudinal study of within and between partner effects of adjustment, sexual satisfaction and sexually explicit internet material among newly-weds (2015)Os dados de uma amostra considerável de recém-casados mostraram que o uso de pornografia tem mais consequências negativas do que positivas para maridos e esposas.Relacionamentos2015Acessar Pesquisa
113Does Viewing Pornography Reduce Marital Quality Over Time? Evidence from Longitudinal Data (2016) Primeiro estudo longitudinal sobre um corte transversal representativo de casais casados, encontrou como resultado, efeitos negativos significativos do uso de pornografia na qualidade do casamento ao longo do tempo.Relacionamentos2016Acessar Pesquisa
114Till Porn Do Us Part? Longitudinal Effects of Pornography Use on Divorce (2017) Essa pesquisa Americana mostra que a associação entre o uso inicial de pornografia e a probabilidade de divórcio para homens quase dobrou a probabilidade de se divorciar no próximo período de pesquisa, de 6% para 11%, e quase triplicou para as mulheres, de 6% para 16%. Relacionamentos2017Acessar Pesquisa
115Pornography Use and Marital Separation: Evidence from Two-Wave Panel Data (2017) As Análises de regressão logística binária dessa pesquisa mostraram que os americanos casados que viam pornografia em 2006 tinham duas vezes mais probabilidade do que aqueles que não viam pornografia para experimentar uma separação até 2012.Relacionamentos2017Acessar Pesquisa
116Are Pornography Users More Likely to Experience A Romantic Breakup? Evidence from Longitudinal Data (2017) Semelhante à pesquisa anterior, só que festa vez feito em pessoas não casadas, essa análise mostra que os americanos que viram pornografia em 2006 eram quase duas vezes mais propensos do que aqueles que nunca viram pornografia a relatarem um rompimento romântico até 2012.Relacionamentos2017Acessar Pesquisa
117 Pornography Use and Marriage Entry During Early Adulthood: Findings From a Panel Study of Young Americans (2018)Os resultados dessa pesquisa afirmaram que, em comparação com níveis mais moderados de uso de pornografia, níveis mais altos de uso de pornografia na idade adulta estão associados a uma menor probabilidade de casamento para homens. O mesmo resultado não foi encontrado para mulheres. Relacionamentos2018Acessar Pesquisa
118Effect of Erotica on Young Men’s Aesthetic Perception of Their Female Sexual Partners (1984)Essa pesquisa de 1984 feita co Universitários do sexo masculino mostrou que após serem exibidas fotos eróticas de outras mulheres o valor estético atribuido às suas próprias parceiras diminuiu.Relacionamentos1984Acessar Pesquisa
119Effects of Prolonged Consumption of Pornography on Family Values (1988) Nessa pesquisa de 1988 sobre os efeitos da pornografia nos valores familiares foi constatado que a exposição à pornografia, provoca, entre outras coisas: maior aceitação do sexo antes do casamento, maior aceitação do sexo extraconjugal, maior tolerância ao acesso sexual não exclusivo a parceiros íntimos, aumento da crença de que a promiscuidade masculina e feminina são naturais e de que a repressão das inclinações sexuais representa um risco para a saúde, diminuição da avaliação do casamento, tornando essa instituição menos significativa e menos viável no futuro, redução do desejo de ter filhos, promoção e aceitação do domínio masculino e da servidão feminina. Com poucas exceções, esses efeitos foram uniformes para os entrevistados do sexo masculino e feminino, bem como para estudantes e não-estudantes.Relacionamentos1988Acessar Pesquisa
120Pornography’s Impact on Sexual Satisfaction (1988)Nessa pesquisa de 1988, foi constatado que após o consumo de pornografia os participantes relataram menos satisfação com seus parceiros íntimos , especificamente com o afeto, a aparência física, a curiosidade sexual e o desempenho sexual e atribuição de maior importância ao sexo sem envolvimento emocional. Esses efeitos foram uniformes em todo o gênero e populações.Relacionamentos1988Acessar Pesquisa
121Influence of popular erotica on judgments of strangers and mates (1989)Neste experimento, indivíduos do sexo masculino e feminino foram expostos ao erotismo do sexo oposto. O resultado é que os homens que acharam as dobras do tipo Playboy mais agradáveis, classificaram-se como "menos apaixonados por suas esposas".Relacionamentos1989Acessar Pesquisa
122Men’s leisure and women’s lives: The impact of pornography on women (1999)Nesta pesquisa feita com mulheres e esposas de homens consumidores de pornografia, a grande maioria expressou forte aversão ao interesse de lazer do marido ou parceiro na pornografia e ficou claro que o uso de pornografia pelos maridos afetou negativamente o sentimento das esposas sobre si mesmas, suas sensações sexuais e seus relacionamentos conjugais em geral.Relacionamentos1999Acessar Pesquisa
123Adult Social Bonds and Use of Internet Pornography (2004)Nessa análise de regressão logística com 531 pessoas, foi constatado que entre os preditores mais fortes do uso de pornografia estavam os laços fracos com a religião e a falta de um casamento feliz.Relacionamentos2004Acessar Pesquisa
124Sex in America Online: An Exploration of Sex, Marital Status, and Sexual Identity in Internet Sex Seeking and Its Impacts (2008) –Neste estudo feito com 15.246 pessoas nos Estados Unidos, foi constatado que 75% dos homens e 41% das mulheres tinham visto ou baixado intencionalmente pornografia da internet. Homens e gays/lésbicas eram mais propensos a acessar pornografia ou a se envolver em outros comportamentos de busca sexual, em comparação com heterossexuais ou mulheres. As mulheres também relataram mais consequências negativas que os homens como: piora da auto-imagem corporal, achar que o parceiro está mais crítico do seu corpo, maior pressão para realizar atos vistos em filmes pornográficos e menos sexo real. Enquanto os homens relataram ser mais críticos em relação ao corpo de seus parceiros e menos interessados em sexo real.Diferenças de Gênero2008Acessar Pesquisa
125Adolescents’ Exposure to Sexually Explicit Internet Material and Sexual Satisfaction: A Longitudinal Study (2009)Nesta pesquisa feita com adolescentes holandeses de ambos os sexos de idades entre 13 e 20 anos, foi constatado que a exposição à pornografia reduziu a satisfação sexual dos adolescentes e os induziu ao aumento do uso de material pornográfico, independente do seu sexo.Adolescentes2009Acessar Pesquisa
126Wives’ Experience of Husbands’ Pornography Use and Concomitant Deception as an Attachment Threat in the Adult Pair-Bond Relationship (2009)Nessa pesquisa foi constatado evidências crescentes de que o uso de pornografia pode impactar negativamente a confiança no relacionamento de pares adultos. Relacionamentos2009Acessar Pesquisa
127Sexual media use and relational satisfaction in heterosexual couples (2010) Essa pesquisa sobre compartilhamento de mídia social sexual revelou que uma frequência maior de uso de mídia sexual masculina está relacionada à satisfação negativa em homens, enquanto uma frequência maior de uso de mídia sexual por mulheres está relacionada à satisfação positiva. Os motivos para o uso de mídia sexual diferiram por gênero: os homens relataram usar principalmente a mídia sexual para masturbação, enquanto as mulheres relataram usar principalmente a mídia sexual como parte do ato sexual com seus parceiros. Já o uso de mídia sexual compartilhada foi associado a maior satisfação relacional em comparação ao uso de mídia sexual solitária.Diferenças de Gênero2010Acessar Pesquisa
128Exploring actor and partner correlates of sexual satisfaction among married couples (2010)Nesta pesquisa feita com casais, foi constado que o consumo de pornografia é danoso para a satisfação sexual do próprio cônjuge, especialmente quando a pornografia é usada por apenas um dos cônjuges.Relacionamentos2010Acessar Pesquisa
129Individuals who never viewed SEM reported higher relationship quality on all indices than those who viewed SEM alone (2011)Como esperado, foi constatado nesta pesquisa feita com casais, que os indivíduos que não viram pornografia relataram uma menor comunicação negativa e uma maior dedicação ao relacionamento do que os indivíduos que viram pornografia sozinhos ou com o parceiro.Relacionamentos2011Acessar Pesquisa
130Associations between young adults’ use of sexually explicit materials and their sexual preferences, behaviors, and satisfaction (2011)Neste estudo foi constatado que freqüências mais altas de uso de material sexual explícito (pornografia) foram associadas com menor satisfação sexual e nos relacionamentos. Como uma proporção substancial dos jovens adultos neste estudo relataram o uso de pornografia, as implicações potenciais são especialmente dignas de nota, particularmente para os homens jovens.Relacionamentos2011Acessar Pesquisa
131Viewing Sexually-Explicit Materials Alone or Together: Associations with Relationship Quality (2011) Este estudo investigou associações entre ver material sexualmente explícito (pornografia) e o funcionamento do relacionamento. Resultados: Indivíduos que nunca viram o pornografia relataram maior qualidade de relacionamento em todos os índices do que aqueles que viram apenas o pornografia. Aqueles que viram pornografia apenas com seus parceiros relataram mais dedicação e satisfação sexual do que aqueles que viram apenas pornografia. A única diferença entre aqueles que nunca viram pornografia e aqueles que a viram apenas com seus parceiros foi que aqueles que nunca a viram tiveram taxas mais baixas de infidelidade.Relacionamentos2011Acessar Pesquisa
132Young Adult Women’s Reports of Their Male Romantic Partner’s Pornography Use as a Correlate of Their Self-Esteem, Relationship Quality, and Sexual Satisfaction (2012)Os resultados deste estudo revelaram que os relatos das mulheres sobre a frequência de uso de pornografia do parceiro masculino estavam negativamente associados à qualidade do relacionamento, auto-estima e satisfação sexual.Relacionamentos2012Acessar Pesquisa
133Pornography use: who uses it and how it is associated with couple outcomes (2013)Os resultados gerais deste estudo indicaram diferenças substanciais de gênero em termos de perfis de uso, bem como associação de pornografia com fatores de relacionamento. Especificamente, o uso de pornografia masculina foi negativamente associado com a qualidade sexual masculina e feminina, enquanto o uso de pornografia feminina foi positivamente associado com a qualidade sexual feminina.Diferenças de Gênero2013Acessar Pesquisa
134Internet Pornography Exposure and Women’s Attitude Towards Extramarital Sex: An Exploratory Study (2013)Este estudo exploratório avaliou a associação entre a exposição de mulheres adultas dos EUA à pornografia na Internet e a atitude em relação ao sexo extraconjugal. Resultado: foi encontrada uma associação positiva entre a visualização de pornografia na Internet e atitudes sexuais extraconjugais.Relacionamentos2013Acessar Pesquisa
135The use of pornography and sexual behaviour among Norwegian men and women of differing sexual orientation (2013)Um pouco escondido dentro deste estudo Norueguês está o seguinte dado interessante: maior uso de pornografia em homens foi correlacionado com menor satisfação sexual (ou “maior insatisfação sexual”) para sexo real.Relacionamentos2013Acessar Pesquisa
136More than a dalliance? Pornography consumption and extramarital sex attitudes among married U.S. adults (2014)Consistente com a perspectiva de aprendizagem social na mídia, neste estudo o consumo prévio de pornografia foi correlacionado com atitudes sexuais extraconjugais mais positivas. Os resultados são consistentes com a premissa teórica de que o consumo de pornografia leva à aquisição e ativação de scripts sexuais, que são então usados por muitos consumidores para modelar suas atitudes sexuais.Relacionamentos2014Acessar Pesquisa
137 Korean Men’s Pornography use, Their Interest in Extreme Pornography, and Dyadic Sexual Relationships (2014)685 estudantes universitários sul-coreanos do sexo masculino participaram de uma pesquisa on-line. A maioria (84,5%) dos entrevistados tinha visto pornografia e, para aqueles que eram sexualmente ativos (470 respondentes), descobrimos que o interesse maior em pornografia extrema ou degradante estava associado à experiência de interpretar cenas sexuais a partir de pornografia com um parceiro e uma preferência pelo uso de pornografia para alcançar e manter excitação sexual do que ter relações sexuais com um parceiro real.Relacionamentos2014Acessar Pesquisa
138Pornography and the Male Sexual Script: An Analysis of Consumption and Sexual Relations (2014)Os resultados desta pesquisa mostraram que quanto mais pornografia um homem assiste, maior a probabilidade de usá-lo durante o sexo, solicitar determinados atos sexuais pornográficos de seu parceiro, conjurar deliberadamente imagens de pornografia durante o sexo para manter a excitação e ter preocupações sobre seu próprio desempenho sexual e corpo imagem.Relacionamentos2014Acessar Pesquisa
139Psychological, Relational, and Sexual Correlates of Pornography Use on Young Adult Heterosexual Men in Romantic Relationships (2014)Os resultados deste estudo revelaram que tanto a frequência do uso de pornografia quanto o uso problemático de pornografia estavam relacionados a um maior conflito de papéis entre os gêneros, estilos de relacionamento mais evitativos e ansiosos, qualidade de relacionamento mais pobre e menor satisfação sexual.Relacionamentos2014Acessar Pesquisa
140Associations between relational sexual behaviour, pornography use, and pornography acceptance among US college students (2014)Nesta pesquisa foram constatadas claras diferenças de gênero nos padrões de uso e aceitação da pornografia. O alto uso de pornografia masculina tendeu a ser associado a um alto envolvimento no sexo dentro de um relacionamento e foi associado a comportamentos de risco elevados. O uso excessivo de pornografia feminina não foi associado ao engajamento em comportamentos sexuais dentro de um relacionamento e foi geralmente associado a resultados negativos de saúde mental.Diferenças de Gênero2014Acessar Pesquisa
141IASR Fortieth Annual Meeting Book of Abstracts – Dubrovnik, Hrvatska, 25.-28. lipnja, (2014)Neste estudo o aumento do uso de pornografia foi associado significativamente com a diminuição do interesse por sexo com um parceiro real e maior chance disfunção sexual entre as mulheres. Já a preferência por gêneros pornográficos específicos foi significativamente associada à disfunção sexual erétil masculina.Diferenças de Gênero2014Acessar Pesquisa
142Factors Predicting Cybersex Use and Difficulties in Forming Intimate Relationships among Male and Female Users of Cybersex (2015)Os resultados desta análise indicam que o uso de pornografia por gênero, podem prever significativamente dificuldades na intimidade e desejo, dificuldades na formação de relações íntimas e a frequência do uso de pornografia.Diferenças de Gênero2015Acessar Pesquisa
143Male Partners’ Perceived Pornography Use and Women’s Relational and Psychological Health: The Roles of Trust, Attitudes, and Investment (2015)Os resultados desta pesquisa revelaram, entre outras coisas, que os relatos das mulheres sobre o uso de pornografia de seus parceiros estavam relacionados a menos satisfação no relacionamento e mais sofrimento psicológico.Relacionamentos2015Acessar Pesquisa
144Relationship of love and marital satisfaction with pornography among married university students in Birjand, Iran (2015) Neste estudo realizado com 310 estudantes casados que estudam em universidades públicas e privadas de Birjand (Irã) foi constatado que a pornografia tem um impacto negativo no amor e na satisfação conjugal.Relacionamentos2015Acessar Pesquisa
145From Bad to Worse? Pornography Consumption, Spousal Religiosity, Gender, and Marital Quality (2016)Essa pesquisa sobre a qualidade dos relcionamentos, demonstrou que ver a pornografia está negativamente associada à satisfação conjugal geral, sugerindo que aqueles que vêem a pornografia com mais frequência tendem a ser menos satisfeitos no casamento do que aqueles que vêem a pornografia com menos frequência ou nunca vêem pornografia.Prejuízos Diversos2016Acessar Pesquisa
146Sexually explicit media use and relationship satisfaction a moderating role of emotional intimacy? (2016) Apesar dos autores desta pesquisa tentarem ofuscar suas próprias descobertas, afirmando que "não encontraram nenhum elo entre o uso de pornografia e a satisfação no relacionamento", na realidade, uma leitura atenta do seu próprio estudo mostra correlações bastante significativas entre o uso de pornografia e uma menor satisfação sexual e de relacionamento em homens e mulheres. Relacionamentos2016Acessar Pesquisa
147Effect of soft core pornography on female sexuality (2016)Mulheres de maridos consumidores de pornografia leve relataram sentir emoções negativas (depressão, ciumes) e mudanças na atitude de seus maridos. Já mulheres de maridos não consumidores de pornografia estavam mais satisfeitas com sua vida sexual em comparação com as outras. Os pesquisadores concluíram que assistir pornografia mesmo que "leve" (soft-core) afeta a vida sexual feminina, aumentando o tédio sexual em homens e mulheres e causando dificuldades relacionais.Relacionamentos2016Acessar Pesquisa
148A Common-Fate Analysis of Pornography Acceptance, Use, and Sexual Satisfaction Among Heterosexual Married Couples (2016) Neste estudo foi constatado que o uso de pornografia por parte de um dos cônjuges foi negativamente associado à sua própria satisfação sexual.Relacionamentos2016Acessar Pesquisa
149Differences in Pornography Use Among Couples: Associations with Satisfaction, Stability, and Relationship Processes (2016) Este estudo realizado com casais sugere que o uso de pornografia está associado a níveis elevados de agressão masculina, menor desejo sexual feminino, comunicação menos positiva para ambos os parceiros, menor satisfação relacional e relacionamentos menos estáveis.Relacionamentos2016Acessar Pesquisa
150Internet Pornography Consumption and Relationship Commitment of Filipino Married Individuals (2016)Neste estudo feito com casais Filipinos, foi revelado que o consumo de pornografia na Internet tem um efeito adverso no compromisso de relacionamento dos casais filipinos casados.Relacionamentos2016Acessar Pesquisa
151Perceptions of relationship satisfaction and addictive behavior: Comparing pornography and marijuana use (2016)Este estudo sugere que o uso problemático de pornografia de parceiros é simular ao uso problemático de maconha de parceiros e contribuem para uma diminuição na satisfação dos relacionamentos.Relacionamentos2016Acessar Pesquisa
152Cyberpornography: Time Use, Perceived Addiction, Sexual Functioning, and Sexual Satisfaction (2016)Essa pesquisa descobriu que o tempo gasto visualizando pornografia é um robusto preditor de menor satisfação sexual.Prejuízos Diversos2016Acessar Pesquisa
153Relationship quality predicts online sexual activities among Chinese heterosexual men and women in committed relationships (2016)Neste estudo, feito com homens e mulheres chineses comprometidosem relacionamentos, foi descoberto que indivíduos com menor qualidade de relacionamento na vida real, incluindo baixa satisfação no relacionamento, insegurança no vínculo e padrões de comunicação negativos, consumiam pornografia de forma mais frequente. Relacionamentos2016Acessar Pesquisa
154The Role of Internet Pornography Use and Cyber Infidelity in the Associations between Personality, Attachment, and Couple and Sexual Satisfaction (2017)Os resultados desse estudo indicaram que o uso de pornografia está associado a dificuldades sexuais e de relacionamento, aumento da infidelidade cibernética, diminuição do desejo sexual do parceiro e à diminuição da satisfação sexual dentro do casal. Relacionamentos2017Acessar Pesquisa
155Explicit Sexual Movie Viewing in the United States According to Selected Marriage and Lifestyle, Work and Financial, Religion and Political Factors (2017) Nessa pesquisa estatística, foi constatado que consumir pornografia está relacionado a menos felicidade no casamento, múltiplos parceiros sexuais no ano anterior, menos satisfação com a situação financeira, falta de preferência religiosa e uma orientação política mais liberal.Relacionamentos2017Acessar Pesquisa
156The pervasive role of sex mindset: Beliefs about the malleability of sexual life is linked to higher levels of relationship satisfaction and sexual satisfaction and lower levels of problematic pornography use (2017)Este artigo sugere que crenças sobre a maleabilidade da vida sexual estão ligadas a níveis mais altos de satisfação nos relacionamento e satisfação sexual e níveis mais baixos de uso problemático de pornografia.Relacionamentos2017Acessar Pesquisa
157He’s Just Not That Into Anyone: the Impact of Sex Fantasy on Attraction (2017)Este resumo discute 4 experimentos que envolveram fantasiar sobre estímulos sexuais. Todos os resultados sugeriram que a fantasia sexual reduz o desejo por relacionamentos românticos. Relacionamentos2017Acessar Pesquisa
158 Is the Relationship Between Pornography Consumption Frequency and Lower Sexual Satisfaction Curvilinear? Results From England and Germany (2017) Nessa Análise de inclinação simples foi sugerido que, quando a frequência de consumo de pornografia atinge uma vez por mês, a satisfação sexual começa a diminuir, e a magnitude da diminuição torna-se maior a cada aumento na frequência de consumo.Relacionamentos2017Acessar Pesquisa
159Personal Pornography Viewing and Sexual Satisfaction: A Quadratic Analysis (2017)Essa pesquisa realizada com 1.500 adultos dos EUA sugerere que consumir pornografia menos de uma vez por mês tem pouco ou nenhum impacto na satisfação sexual, já uma vez que a visualização atinge uma vez por mês ou mais, as reduções na satisfação sexual tendem a iniciar, sendo que aumentos adicionais na frequência de visualização levam a decréscimos desproporcionalmente maiores na satisfação sexual.Relacionamentos2017Acessar Pesquisa
160 The Survey of Sexual Health and Pornography among Divorce-Asking Women in West Azerbaijan-Iran: A Cross-Sectional Study (2017) Um dos fatores que afetam a incidência de divórcio e problemas de relacionamento entre casais é o comportamento sexual e conjugal. Existem várias razões para suspeitar que a pornografia pode afetar o divórcio de maneira positiva ou negativa. Este estudo avaliou a saúde sexual do pedido de divórcio em Urmia, no Irã. Conclusões: Os resultados do estudo indicaram que aqueles com baixa pontuação de satisfação sexual apresentaram maior índice de consumo de pornografia. Relacionamentos2017Acessar Pesquisa
161Pornography consumption of young adults in the context of gender stereotypes and sexual behaviour (2017) Neste estudo, foi constatado entre outras coisas, que os hábitos de consumo de pornografia dos homens estão negativamente correlacionados com a freqüência relatada de relações sexuais.Relacionamentos2017Acessar Pesquisa
162Pornography consumption and its association with sexual concerns and expectations among young men and women (2017) Os resultados dessa análise de regressão multivariada sugerem que indivíduos que consomem pornografia podem experimentar insegurança sexual e expectativas sexuais induzidas pelo uso de pornografia.Prejuízos Diversos2017Acessar Pesquisa
163Pornography Use: Its Impact On Heterosexual Men’s Lives & Romantic Relationship (2018) Nosse estudo foi demonstrado que quanto mais pornografia os homens usavam, mais problemas isso criava em suas vidas. Da mesma forma, a percepção dos homens sobre os efeitos negativos da pornografia aumentou e sua percepção dos efeitos positivos da pornografia diminuiu com o aumento do uso de pornografia.Prejuízos Diversos2018Acessar Pesquisa
164Pornography use, marital status and sexual satisfaction in a non-clinical sample (2018)Nessa amostra feita com 204 pessoas, os resultados sugerem que a satisfação sexual está associada negativamente à frequência do uso de pornografia e o estado civil também se correlacionou significativamente com a satisfação sexual.Relacionamentos2018Acessar Pesquisa
165Pornography Consumption and Sexual Satisfaction in a Korean Sample (2018) Nessa amostra de adultos heterossexuais coreanos, a associação linear entre consumo de pornografia e satisfação foi negativa e significativa. No entanto, o consumo ocasional de pornografia foi associado com maior satisfação, enquanto o consumo com qualquer grau de regularidade foi associado com menor satisfação. Outras avaliações mostraram que a relação negativa entre o consumo mais regular de pornografia e a menor satisfação foi ligeiramente mais marcada para as mulheres, enquanto a relação positiva entre o consumo de pornografia intermitente e maior satisfação foi ligeiramente mais marcada para os homens. A natureza da relação entre o consumo de pornografia e satisfação foi semelhante para pessoas religiosas e não religiosas e para pessoas em um relacionamento e não em um relacionamento.Diferenças de Gênero2018Acessar Pesquisa
166Pornography, Pleasure, and Sexuality: Towards a Hedonic Reinforcement Model of Sexually Explicit Internet Media UseNessa revisão, foi demonstrando que o uso de pornografia na internet é motivado por motivações sexuais hedônicas e autocentradas, sendo na maioria das vezes uma busca solitária de prazer devido à sua acessibilidade, novidade e natureza personalizável e provavelmente levará a aumentos na motivação sexual hedônica tanto em encontros sexuais solitários quanto sociais.Prejuízos DiversosAcessar Pesquisa
167Perceived Effects of Pornography on the Couple Relationship: Initial Findings of Open-Ended, Participant-Informed, “Bottom-Up” Research. (Kohut et al., 2017)Neste estudo bastante suspeito e cheio falhas metológicas, onde o autor conclui que o uso de pornografia oferece "benefícios para casais", numa leitura atenta, ainda assim podemos notar vários casais relatando efeitos negativos significativos do uso de pornografia, como, por exemplo: "a pornografia ser mais fácil, mais interessante, mais excitante, mais desejável ou mais gratificante do que sexo com um parceiro real, o uso de pornografia ser dessensibilizante, diminuir a capacidade de atingir ou manter a excitação sexual ou de atingir o orgasmo, estar relacionada com a perda de intimidade ou amor e tornar o sexo real mais entediante, mais rotineiro, menos excitante ou menos agradável". Relacionamentos2017Acessar Pesquisa
168Media and Sexualization: State of Empirical Research, 1995–2015. (2016) Nessa revisão de um total de 109 publicações que continham 135 estudos sobre o efeito da pornografia em relação às mulheres, foram constatados evidências consistentes de que tanto a exposição laboratorial quanto a exposição cotidiana à pornografia estão diretamente associadas a uma série de conseqüências às mulheres como: níveis mais elevados de insatisfação corporal, maior auto-objetificação, maior apoio a crenças sexistas e crenças sexuais adversárias e maior tolerância à violência sexual. Além disso, a exposição experimental a esse conteúdo leva mulheres e homens a ter uma visão reduzida da competência, moralidade e humanidade das mulheres.Violência contra mulheres2016Acessar Pesquisa
169Pornography and Attitudes Supporting Violence Against Women: Revisiting the Relationship in Nonexperimental Studies (2010)Os resultados dessa pesquisa mostraram uma associação significativa entre uso de pornografia e atitudes de apoio à violência contra a mulher.Violência contra mulheres2010Acessar Pesquisa
170Exposure to pornography and attitudes about women and rape: A correlational study (1986) Neste estudo, sujeitos do sexo masculino à quem foi mostrado um filme pornô violento concordaram mais com itens endossando violência contra mulheres do que os sujeitos de controle. No entanto, ao contrário das previsões, não houve diferença estatisticamente significativa entre os dois grupos em sua aceitação dos mitos de estupro, embora tenha havido uma tendência na direção prevista.Violência contra mulheres1986Acessar Pesquisa
171Use of pornography and self-reported engagement in sexual violence among adolescents (2005)Os resultados deste estudo mostraram que a violência sexual ativa e passiva e o sexo indesejado e a pornografia foram correlacionados.Violência contra mulheres2005Acessar Pesquisa
172Relationships among cybersex addiction, gender egalitarianism, sexual attitude and the allowance of sexual violence in adolescents (2007)Este estudo mostrou que a igualidade de gênero, a atitude sexual e a concessão à violência sexual em adolescentes foram influenciados pelo vício em pornografia.Violência contra mulheres2007Acessar Pesquisa
173The use of cyberpornography by young men in Hong Kong some psychosocial correlates (2007) Este estudo examinou a prevalência da visualização de pornografia on-line e seus correlatos psicossociais entre uma amostra de jovens chineses em Hong Kong. Constatou-se que os participantes que relataram ter mais visualização de pornografia on-line tiveram maior pontuação em medidas de permissividade sexual pré-marital e tendências em relação ao assédio sexual.Violência contra mulheres2007Acessar Pesquisa
174X-Rated: Sexual attitudes and behaviors associated with U.S. early adolescents’ exposure to sexually explicit media (2009) Neste estudo feito com adolescentes, análises longitudinais mostraram que a exposição precoce do pessoas do sexo masculino à pornografia resultam em atitudes menos progressivas quanto ao papel de gênero, em normas sexuais mais permissivas, na perpetração de assédio sexual e na prática de sexo e sexo oral dois anos depois. A exposição precoce de mulheres à pornografia resultaram em atitudes de papel de gênero menos progressivas, e na prática de sexo e sexo oral dois anos depois.Adolescentes2009Acessar Pesquisa
175Adolescents’ Exposure to Sexually Explicit Internet Material and Notions of Women as Sex Objects: Assessing Causality and Underlying Processes (2009) Essa pesquisa feita com adolescentes holandeses, mostrou que a exposição à pornografia teve uma influência direta e recíproca na percepção de mulheres serem vistas como objetos sexuais, tanto para homens como para mulheres.Adolescentes2009Acessar Pesquisa
176The influence of sexually explicit Internet material and peers on stereotypical beliefs about women’s sexual roles: similarities and differences between adolescents and adults (2011)Este estudo examinou o uso de material pornográfico de estudantes universitários japoneses e constatou uma associação entre o consumo de pornografia e a percepções de mulheres como objetos sexuais.Violência contra mulheres2011Acessar Pesquisa
177Pornography Viewing among Fraternity Men: Effects on Bystander Intervention, Rape Myth Acceptance and Behavioral Intent to Commit Sexual Assault (2011) Neste estudo feito em uma universidade pública, os resultados mostraram que os homens que vêem pornografia têm uma probabilidade significativamente menor de intervir em casos de estupro, relatam um aumento da intenção de estuprar e são mais propensos a acreditar em mitos de estupro.Violência contra mulheres2011Acessar Pesquisa
178Pornography and Sexist Attitudes Among Heterosexuals (2013) Os resultados desta pesquisa mostraram que, entre os homens, um maior consumo de pornografia no passado foi significativamente associado a atitudes menos igualitárias em relação às mulheres e a um sexismo mais hostil.Violência contra mulheres2013Acessar Pesquisa
179Activating the Centerfold Syndrome: Recency of Exposure, Sexual Explicitness, Past Exposure to Objectifying Media (2013)Neste estudo experimental, foi constatado que a exposição de alguém à pornografia no passado foi positivamente correlacionada com a síndrome do centerfold, que por sua vez, consiste na aquisição de um conjunto de 5 crenças: voyeurismo, reducionismo sexual, validação de masculinidade, tropismo e sexo não relacional. Vício em Pornografia2013Acessar Pesquisa
180Pornography Consumption and Opposition to Affirmative Action for Women: A Prospective Study (2013) Os resultados deste estudo sugerem que a pornografia pode ser uma influência social que prejudica o apoio à programas de ação afirmativa para mulheres.Violência contra mulheres2013Acessar Pesquisa
181A National Prospective Study of Pornography Consumption and Gendered Attitudes Toward Women (2015) Neste estudo foi detectado que o consumo de pornografia está associado a mudanças interindividuais ao longo do tempo nas atitudes de gênero dos idosos em relação às mulheres.Violência contra mulheres2015Acessar Pesquisa
182Antecedents of adolescents’ exposure to different types of sexually explicit Internet material: A longitudinal study (2015)Este estudo feito com adolescentes Holandeses sugere que garotos hiper-masculinos e meninas hiper femininas foram expostos com mais frequência à pornografia com temática violenta.Adolescentes2015Acessar Pesquisa
183‘It’s always just there in your face’: young people’s views on porn (2015)Os resultados desta pesquisa destacam, entre outras descobertas, uma ligação entre a exposição à pornografia e as expectativas sexuais dos homens jovens e a pressão das mulheres jovens para se adequar ao que está sendo visto.Adolescentes2015Acessar Pesquisa
184What Is the Attraction? Pornography Use Motives in Relation to Bystander Intervention (2015) Este estudo reforça outros estudos nos quais foi detectada uma associação entre o uso de pornografia e a insensibilidade à violência sexual.Violência contra mulheres2015Acessar Pesquisa
185An experimental analysis of young women’s attitude toward the male gaze following exposure to centerfold images of varying explicitness (2015)Os resultados deste estudo apoiam a visão de que quanto mais representações de mulheres na mídia mostram o corpo das mulheres, mais forte é a mensagem que elas enviam para que as mulheres sejam observadas por outras pessoas. Ele também sugere que mesmo uma breve exposição a informações explícitas pode ter um efeito não transitório sobre as atitudes sociais em relação à mulher.Violência contra mulheres2015Acessar Pesquisa
186Men’s Objectifying Media Consumption, Objectification of Women, and Attitudes Supportive of Violence Against Women (2016)Este estudo propôs que quanto mais os homens são expostos à pornografia, mais eles pensarão que as mulheres existem como entidades existentes para a sua própria gratificação sexual e também terão atitudes mais fortes de apoio à violência contra as mulheres. Violência contra mulheres2016Acessar Pesquisa
187Soft-core pornography viewers ‘unlikely to hold positive attitudes towards women’ (2016) Nesse estudo feito com consumidores de "pornografia leve" foi constatado que pessoas que estavam dessensibilizadas para essas imagens eram mais propensas que outras a endossar mitos de estupro e pessoas que frequentemente viram essas imagens tiveram menor probabilidade de ter atitudes positivas em relação às mulheres.Violência contra mulheres2016Acessar Pesquisa
188Pornography, Sexual Coercion and Abuse and Sexting in Young People’s Intimate Relationships: A European Study (2016)Nesta pesquisa sobre sexting, foi sugerido que meninos que assistem regularmente a pornografia online são significativamente mais propensos a manter atitudes negativas de gênero e, embora o sexting seja normalizado e percebido positivamente pela maioria dos jovens, ele tem o potencial de reproduzir características sexistas da pornografia, como controle e humilhação.Adolescentes2016Acessar Pesquisa
189Age of first exposure to pornography shapes men’s attitudes toward women (2017)Os resultados desta pesquisa indicaram que quanto menor a idade da primeira exposição à pornografia maior adesão às "normas masculinas" de empoderamento sobre às mulheres.Violência contra mulheres2017Acessar Pesquisa
190Prostitution Myth Endorsement: Assessing the Effects of Sexism, Sexual Victimization History, Pornography, and Self-Control (2018)Esse estudo constatou que a frequência do consumo de pornografia e déficits de autocontrole predizem significativamente a adesão ao "mito da prostituição" e o aumento de atitudes sexistas em relação às mulheres.Violência contra mulheres2018Acessar Pesquisa
191Variations in internet-related problems and psychosocial functioning in online sexual activities: implications for social and sexual development of young adults (2004)Neste estudo, alunos que não participaram de atividade sexual online ficaram mais satisfeitos com a vida off-line e mais conectados a amigos e familiares. Aqueles que se envolveram em atividades sexuais online eram mais dependentes da Internet e relataram um pior funcionamento fora dela.Prejuízos Diversos2004Acessar Pesquisa
192Internet Pornography and Loneliness: An Association? (2005)Os resultados deste estudo mostraram uma associação significativa entre o uso de pornografia na Internet e a solidão.Prejuízos Diversos2005Acessar Pesquisa
193Use of Internet Pornography and Men’s Well-Being (2005)Essa pesquisa de 2005 concluiu que embora a maioria das pessoas utilize a Internet para fins ocupacionais, educacionais, recreativos e de compras, existe uma considerável minoria masculina de homens viciados em pornografia que investem uma quantidade desmedida de seu tempo, dinheiro e energia na busca por pornografia da internet, tendo como resultado: depressão, ansiedade e problemas de intimidade sentida com seus parceiros da vida real.Prejuízos Diversos2005Acessar Pesquisa
194Exposure to internet pornography among children and adolescents a national survey (2005) Nesta pesquisa feita por telefone com crianças e adolescentes de 10 a 17 anos de idade, aqueles que relatam exposição intencional à pornografia, são significativamente mais propensos a relatar comportamento delinquente e uso de substâncias no ano anterior e também são mais propensos a relatar características clínicas associadas à depressão e níveis mais baixos de vínculo afetivo com seu cuidador.Prejuízos Diversos2005Acessar Pesquisa
195Adolescent pornographic internet site use: a multivariate regression analysis of the predictive factors of use and psychosocial implications (2009)Nesta pesquisa Grega, quando comparados aos usuários não-pornográficos de sites da Internet, os usuários de sites pornográficos eram duas vezes mais propensos a ter problemas de conduta anormais e ao desajustamento social.Prejuízos Diversos2009Acessar Pesquisa
196Social bonds and Internet pornographic exposure among adolescents (2009) Neste estudo, constatou-se que os adolescentes com maior grau de interação social e vínculo não eram tão propensos a consumir material pornográfico quanto os seus pares menos sociais. Além disso, quantidades maiores de consumo de pornografia estavam significativamente correlacionadas com graus mais baixos de integração social, especificamente relacionados à religião, escola, sociedade e família. O estudo também encontrou uma relação estatisticamente significativa entre o consumo de pornografia e a agressividade na escola.Prejuízos Diversos2009Acessar Pesquisa
197Frequent users of pornography. A population based epidemiological study of Swedish male adolescents (2010)Neste estudo Suéco, o uso frequente de pornografia foi associado a muitos comportamentos problemáticos, sendo que os pesquisadores concluíram que a visualização frequente de pornografia requer mais atenção de pais, professores e e profissionais de saúde.Prejuízos Diversos2010Acessar Pesquisa
198 “I believe it is wrong but I still do it”: A comparison of religious young men who do versus do not use pornography (2010)Neste estudo feito com homens religiosos de idades entre 18 e 27 anos constatou-se que embora todos acreditavam que a pornografia era inaceitável, aqueles que não usavam pornografia relataram: níveis mais altos de práticas religiosas individuais e em familia, níveis mais altos auto-estima e de pró-atitude em relação a namoro e família, e níveis mais baixos de depressão.Prejuízos Diversos2010Acessar Pesquisa
199Mental-and physical-health indicators and sexually explicit media use behavior by adults (2011)Neste estudo, os usuários de pornografia em comparação com os não usuários, relataram maiores sintomas depressivos, pior qualidade de vida, mais dias de saúde mental e física diminuídos e pior estado de saúde.Prejuízos Diversos2011Acessar Pesquisa
200When is Online Pornography Viewing Problematic Among College Males? Examining the Moderating Role of Experiential Avoidance (2012)Neste estudo, os resultados indicaram que a frequência de observação de pornografia foi significativamente relacionada a uma série de problemas psicossociais: depressão, ansiedade, estresse, mal funcionamento social, entre outros.Prejuízos Diversos2012Acessar Pesquisa
201Women, Female Sex and Love Addicts, and Use of the Internet (2012)Este estudo comparou mulhares viciadas em sexo, mulhares viciadas em pornografia e mulheres não viciadas. Resultado: as mulheres viciadas em pornografia experimentaram níveis mais altos de depressão.Diferenças de Gênero2012Acessar Pesquisa
202Consumption of Pornographic Materials among Hong Kong Early Adolescents: A Replication (2012)Nesta pesquisa, em geral, foram detectados maiores níveis de desenvolvimento e melhor funcionamento familiar de jovens com menor nível de consumo de pornografia.Adolescentes2012Acessar Pesquisa
203Emerging Adult Sexual Attitudes and Behaviors: Does Shyness Matter? (2013) Neste estudo, a timidez foi associada a comportamentos sexuais solitários de masturbação e uso de pornografia em homens.Prejuízos Diversos2013Acessar Pesquisa
204Narcissism & Internet Pornography Use (2014)Neste estudo, foi constatado que as horas gastas visualizando pornografia na Internet correlacionaram-se positivamente com o nível de narcisismo dos participantes. Além disso, aqueles que já usaram pornografia na internet endossaram níveis mais altos de todas as três medidas de narcisismo do que aqueles que nunca usaram pornografia na Internet.Prejuízos Diversos2014Acessar Pesquisa
205Pornography and Marriage (2014) Este estudo descobriu que os adultos que assistiram a um filme pornô no ano anterior eram mais propensos a se divorciar, mais propensos a ter um caso extraconjugal e menos propensos a relatar estarem felizes com o casamento ou felizes de uma forma geral.Relacionamentos2014Acessar Pesquisa
206Pornography consumption, psychosomatic health and depressive symptoms among Swedish adolescents (2014)Os objetivos do estudo foram investigar preditores de uso freqüente de pornografia e investigar esse uso em relação a sintomas psicossomáticos e depressivos entre adolescentes suecos. Foi descoberto que ser uma menina, morar com pais separados, frequentar um programa de ensino médio profissional e ser um usuário frequente de pornografia previu sintomas psicossomáticos em maior extensão em comparação com sintomas depressivos.Adolescentes2014Acessar Pesquisa
207Frequent use of Pornography and its Associations with Sexual Experiences, Lifestyles and Health among Adolescents (2014)Neste estudo realizado com adolescentes, foi descoberto entre outras coisas, que o uso freqüente e pornografia está associado a problemas de estilo de vida, como o uso de álcool e um estilo de vida sedentário.Adolescentes2014Acessar Pesquisa
208No Harm in Looking, Right? Men’s Pornography Consumption, Body Image, and Well-Being (2014)Este estudo revelou que a freqüência de uso de pornografia em homens foi associada à insatisfação com gordura corporal, ansiedade e evitação de ligações românticas.Prejuízos Diversos2014Acessar Pesquisa
209Perceived Addiction to Internet Pornography and Psychological Distress: Examining Relationships Concurrently and Over Time (2015)Neste estudo foi descoberto que o vício em pornografia está correlacionado diretamente com sofrimento psicológico, como: raiva, depressão, ansiedade, estresse.Prejuízos Diversos2015Acessar Pesquisa
210Lower Psychological Well-Being and Excessive Sexual Interest Predict Symptoms of Compulsive Use of Sexually Explicit Internet Material Among Adolescent Boys (2015)Nesse estudo foi constatado que níveis mais altos de sentimentos depressivos e de interesse sexual excessivo foram preditores de aumentos no uso compulsivo de pornografia 6 meses depois.Prejuízos Diversos2015Acessar Pesquisa
211Psychological, Relational, and Biological Correlates of Ego-Dystonic Masturbation in a Clinical Setting (2016)Os dados desta pesquisa confirmam observações anteriores de que comorbidades psiquiátricas, especialmente transtornos de humor, de ansiedade e de personalidade, são a regra e não a exceção para pessoas com comportamentos sexuais compulsivos.Prejuízos Diversos2016Acessar Pesquisa
212Men’s pornography consumption in the UK: prevalence and associated problem behaviour (2016) Neste estudo, foi descoberto que homens que relataram dependência de pornografia são muito mais propensos a se envolver em uma variedade de comportamentos anti-sociais de risco como: beber em excesso, lutar, usar armas, usar drogas ilegais, jogar, consumir pornografia ilegal, para citar apenas alguns. Além disso, são mais propensos a terem pior saúde física e psicológica. Prejuízos Diversos2016Acessar Pesquisa
213Frequent Internet Pornography Use: Korean Adolescents’ Internet Use Time, Mental Health, Sexual Behavior, and Delinquency (2016)Neste estudo feito com adolescentes, o freqüente consumo de pornografia na Internet mostrou uma alta associação de vulnerabilidades aos indicadores de saúde mental. Ou seja, níveis mais baixos de felicidade e níveis mais elevados de estresse, tristeza e desesperança, ligados à taxas mais altas de ideação suicida e tentativas de suicídio. Prejuízos Diversos2016Acessar Pesquisa
214Mood changes after watching pornography on the Internet are linked to symptoms of Internet-pornography-viewing disorder (2016)Nesta pesquisa foi descoberto que o uso disfuncional da pornografia na Internet pode estar sendo usado para para lidar com o humor depressivo, o estresse, busca de excitação, evitação emocional e que isso pode ser considerado como um fator de risco para o agravamento do vício. Prejuízos Diversos2016Acessar Pesquisa
215 Problematic sexual behavior in young adults: Associations across clinical, behavioral, and neurocognitive variables (2016) Essa análise indicou que a comprotamentos sexuais problemáticos estão associados a pior qualidade de vida, baixa autoestima e maiores taxas de comorbidades com vários transtornos, déficits em vários domínios neurocognitivos, tais como inibição motora, memória de trabalho espacial e tomada de decisão, assim como a origem a uma série de problemas secundários, que vão desde a dependência e depressão, ao àlcoolismo e a deterioração da qualidade de vida e da autoestima.Prejuízos Diversos2016Acessar Pesquisa
216A Preliminary Model of Motivation for Pornography Consumption Among Men Participating in Zoophilic Virtual Environments (2016)Neste estudo feito com consumidores de pornografia animal (zoofilia), a impulsividade sexual foi positivamente associada aos fatores de evitação emocional, busca de excitação e prazer sexual, Depressão e impulsividade sexual.Prejuízos Diversos2016Acessar Pesquisa
217Problematic internet pornography use: The role of craving, desire thinking, and metacognition (2017)Embora não seja tão claro no texto, este estudo encontrou correlações entre os desejos por pornografia e a pontuação em questionários de depressão e ansiedade. Prejuízos Diversos2017Acessar Pesquisa
218Effect of internet on the psychosomatic health of adolescent school children in Rourkela – A cross-sectional study (2017)Nessa pesquisa feita com adolescentes, visitar sites pornográficos foi associado ao interesse por sexo, mal humor, falta de concentração e uma ansiedade inexplicável.Prejuízos Diversos2017Acessar Pesquisa
219Pornography Use and Loneliness: A Bi-Directional Recursive Model and Pilot Investigation (2017)Os resultados dessa análise revelaram associações significativas entre uso de pornografia e solidão.Prejuízos Diversos2017Acessar Pesquisa
220How Abstinence Affects Preferences (2016) Nesta pesquisa feita com pessoas que estavam em abstinência de pornografia (reboot), os pesquisadores obtiveram o seguintes resultados: abster-se de pornografia e masturbação aumenta a capacidade de auto-controle, torna as pessoas mais dispostas a correr riscos, mais altruístas, mais extrovertidas, mais conscienciosas e menos neuróticas.Reboot2016Acessar Pesquisa
221Viewing Sexually Explicit Media and Its Association with Mental Health Among Gay and Bisexual Men Across the U.S. (2017)Neste estudo, foi constatado que homens gays e bissexuais, relataram ter visto significativamente mais pornografia do que homens heterossexuais. Há evidências de que visualizar maiores quantidades de pornografia pode resultar em atitudes mais negativas em relação ao próprio corpo e ao afeto.Diferenças de Gênero2017Acessar Pesquisa
222Pornography use in sexual minority males: Associations with body dissatisfaction, eating disorder symptoms, thoughts about using anabolic steroids and quality of life (2017)Nessa pesquisa realizada com homens da Austrália e Nova Zelândia, foi constatado que o aumento do uso de pornografia está associado a uma maior insatisfação com a musculatura, gordura corporal e estatura; maiores sintomas de transtorno alimentar; pensamentos mais frequentes sobre o uso de esteróides anabolizantes; e menor qualidade de vida.Prejuízos Diversos2017Acessar Pesquisa
223Young Australians’ use of pornography and associations with sexual risk behaviours (2017)Nesta pesquisa foi descoberto que quanto mas mais jovem ocorre a primeira visualização de pornografia de uma pessoa, mais chances ela tem de desenvolver problemas de saúde mentais.Adolescentes2017Acessar Pesquisa
224Current situation of pornography use in senior college male students and its correlation with their depression-anxiety-pressure (2017) Nesta pesquisa sobre o uso de pornografia feita com idosos do sexo masculino, foi constada uma correlação da frequência do uso de pornografia com emoções negativas. Dos 99,98% que haviam se exposto à pornografia, 32,2% deles tinham tendência ao vício. A taxa de depressão foi de 2,8% nos indivíduos que usaram pornografia menos de 1 vez por semana e de 14,6% naqueles com uma frequência de mais de 3 vezes por semana. Prejuízos Diversos2017Acessar Pesquisa
225Understanding and predicting classes of college students who use pornography (2017)Neste notável estudo, foi constatado que níveis mais altos de autoestima estão relacionados a padrões mais baixos de uso de pornografia.Prejuízos Diversos2017Acessar Pesquisa
226Gender difference, class level and the role of internet addiction and loneliness on sexual compulsivity among secondary school students (2017)Análises correlacionais deste estudo revelaram relações diretas e significativas entre vício em internet e compulsividade sexual. Isto sugere que quanto mais as crianças do ensino secundário são dependentes do uso da Internet, mais elas estão predispostas a comportamentos sexuais compulsivos.Adolescentes2017Acessar Pesquisa
227Relationships between Exposure to Online Pornography, Psychological Well-Being and Sexual Permissiveness among Hong Kong Chinese Adolescents: a Three-Wave Longitudinal Study (2018)Este estudo longitudinal descobriu que o uso de pornografia está relacionado à depressão, menor satisfação com a vida e atitudes sexuais permissivas.Prejuízos Diversos2018Acessar Pesquisa
228Gender Differences in Escapist Uses of Sexually Explicit Internet Material: Results from a German Probability Sample (2018)Nessa pesquisa feita com usuários de pornografia da Alemanha, foi constatado uma menor satisfação com a vida, a falta de comprometimento nos relacionamentos e sentimentos de solidão entre os homens que consumiam pornografia com mais frequência. Em relação às mulheres que consumiam pornografia com mais frequência, também foram constatados sentimentos de solidão, mas em menor intensidade. Para elas, aparentemente o consumo de pornografia aumentou o comprometidmento nos relacionamentos e indicou um nível mais alto de satisfação com a vida. Prejuízos Diversos2018Acessar Pesquisa
229Understanding Associations between Personal Definitions of Pornography, Using Pornography, and Depression (2018) Neste estudo, onde foram controladas várias variáveis, entre elas, a definição pessoal do conceito de pornografia, um maior uso de pornografia foi correlacionado com níveis mais altos de depressão.Prejuízos Diversos2018Acessar Pesquisa
230The Use of Online Pornography as Compensation for Loneliness and Lack of Social Ties Among Israeli Adolescents (2018) Essa pesquisa feita com adolescentes de Israel, revelou que quanto maior a prevalência de uso de pornografia, maior a prevalência de solidão, apego, insegurança, ansiedade e/ou comportamentos de evitação.Adolescentes2018Acessar Pesquisa
231Early Adolescent Boys’ exposure to Internet pornography: Relationships to pubertal timing, sensation seeking, and academic performance (2015)Este raro estudo longitudinal sugere que o uso de pornografia diminui o desempenho acadêmico. Adolescentes2015Acessar Pesquisa
232Effects of Pornography on Senior High School Students, Ghana. (2016)Os resultados desse estudo feito com estudantes do ensino superior de Gana, indicam que o uso excessivo de pornografia da Internet tem um impacto no desenvolvimento de déficits cognitivos semelhantes aos encontrados no Transtorno do déficit de atenção com hiperatividade (TDAH).Prejuízos Diversos2016Acessar Pesquisa
Compartilhar
Twittar
Email
WhatsApp