Minha vida, um novo começo.

Lieutenant

Eu andei longe do fórum durante os últimos 30 dias do meu reboot. Foi proposital, resolvi me voltar pra mim e tentar não pensar mais no assunto. Não sei se foi a melhor escolha, e nem foi fácil.

Logo de imediato serei sincero, não saberia dizer há algum tempo atrás se completei o reboot verdadeiramente, fiquei em dúvida durante alguns dias após o dia 14 de Dezembro (Era o dia que marquei no calendário como sendo o dia final, o 90° dia), isso porque me comprometi a fazer um reboot completo sem Porn, sem Masturbação e Orgasmo.

Eu me masturbei, porém, depois de 70 dias cravados — o motivo? Orgasmo. Para mim, ter feito sexo com minha namorada foi muito, mas muito importante para meu reboot, não só por ter melhorado nossa relação íntima e ter tido o apoio dela enquanto ela me afirmava que também sentia melhoras inimagináveis no tesão e na satisfação, mas também foi importante pra eu religar minha libido a uma sexualidade mais clara, simples e que posso chamar de minha. Hoje estou mais próximo do ser humano que quis ser, sexualmente falando.

Voltei a sentir desejo pelos sentidos, pelo cheiro. Os amassos me excitam e até mesmo um papo mais quente já me deixa pronto etc, etc, etc. O que quero dizer é que o sexo descomplicou e as fantasias estão ficando mais apagadas ou deram lugar a outras que construí sem a linguagem pornográfica. Ao fim, eu percebi que não estava sabendo lidar com o tesão e a excitação e já logo descontava na pornografia e na masturbação a fim de manter aquele velho ciclo de satisfação e dopamina que aprendemos com os novos estudos neurocientíficos; fui pra masturbação depois de passar um tempo sem minha namorada e não conseguir conter o desejo, achei que não seria nada de mais, pois era pessoal e não pornográfico, deixei-me levar por um dia, dois, no terceiro vi que eu só estava fantasiando, imaginando o sexo ao invés de fazê-lo e que corria sérios riscos de retomar aquela trilha escura e fodida em que passei os anos da minha puberdade e além…

Hoje no entanto, eu percebo que amadureci, tive um lapso, mas consegui conscientemente não retomar um erro. Não afirmo que estou curado, mas estou, sim, liberto do vício, pois assumi uma autonomia sobre minhas escolhas que eu não achei que seria capaz. E tudo graças ao reboot e — como disse minha namorada — graças aos 90 dias da maior transformação que pude empreender para o meu amor-próprio!

Estou tentando não falar demais, mas quero deixar algumas coisas acerca dos meus últimos 30 dias, pois não vou retomar o que veio antes disso, já que é o mesmo que todos aqui: cheguei a este fórum perdido, morto por dentro, sem esperança e com vergonha de me olhar no espelho. Como todos aqui, vivi uma vida sem prazer, insensível e completamente controlada pela ordem do mundo pornográfico.

A reta final foi mais difícil do que pensei, tive tantas poluções noturnas quanto no começo e vivia seco para ter aquelas ondas de satisfação que alimentavam meus cliques intermináveis em sites pornográficos há 90 dias atrás, vivi esses últimos momentos do reboot no escuro e sem lembrar o propósito daquela escolha de não-pornografia, faltou-me fé no processo e achei que não daria certo pois eu já o estava terminando e não via resultados. Enfim, segui no escuro, andei sem ver a luz que imaginava no fim do túnel. Mas eu não parei, galera, perto dos 75-80 dias lembrei-me da frase do Churchill que o Projeto reproduziu uma vez no site:

“Se você está atravessando um inferno, continue atravessando”

Agora que olho pra trás eu não também não vejo onde estava, mas sei que era um lugar muito pior, onde todo tipo de violência sexual e parafilia governavam meus pensamentos e confundiam meus sentimentos e minha sexualidade. Me assusta hoje a ideia de suicídio, naquele lugar não me assustava… Assim como não me assustava vários tipos de pornô.

Eu não ganhei mais dinheiro, nem minha voz engrossou e nem meu corpo ficou mais másculo. Também não ganhei mais sorte com as mulheres e ainda tem um monte de coisa que quero transformar, mas eu ganhei o essencial: eu consegui mudar a condição pessoal que mais me atormentava, consegui agir sobre algo que tive certeza que nunca seria diferente depois de tantas tentativas frustradas, hoje sei que posso fazer qualquer coisa, pois fiz o que julguei impossível, parei com a pornografia!

A batalha continua, estou aberto a aprender cada vez mais e jamais vou baixar a guarda — pornografia não é mais uma opção!

Agora é pra frente!

Fonte: http://comoparar.forumeiros.com/t158-lieutenant-25-anos-minha-vida-um-novo-comeco